Em noticias

Copom acredita que espaço para juros reais menores continuará se consolidando

Autoridade monetária afirmou que alta nos índices de preços é transitória e vê recuperação na atividade econômica

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) divulgou nesta quinta-feira, dia 1 de dezembro, a ata da reunião realizada nos dias 22 e 23 de novembro, quando a autoridade monetária reduziu a taxa básica de juro brasileira, a Selic, em 50 pontos base, para 18,50% ao ano.

O colegiado do Banco Central manteve o tom positivo na ata e afirmou que além do aperto monetário iniciado em setembro de 2004 conter as pressões inflacionárias de curto prazo, a postura de política monetária também tem contribuído para a consolidação de um ambiente macroeconômico cada vez mais favorável em horizontes mais longos.

Um dia após a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) referente ao terceiro trimestre deste ano, que recuou 1,2% em relação ao segundo trimestre, o colegiado do Banco Central afirmou que a atividade econômica deverá se recuperar nos próximos meses e continuar em expansão, sem representar significativas pressões sobre a inflação.

Espaço para juros menores no futuro
No que se refere à aceleração da inflação que vem sendo observada nos principais indicadores, o colegiado acredita se tratar de um fenômeno transitório, causado pelo reajuste nos preços dos combustíveis e pela reversão parcial da dinâmica favorável dos preços dos alimentos.

Em função desta percepção, a expectativa é de que este comportamento apresente arreferecimento. No entanto, ressalta que suas ações deverão assegurar que os ganhos obtidos no combate à inflação até o momento sejam permanentes.

Por fim, a consolidação de um cenário de estabilidade macroeconômica, decorrente de um movimento de convergência ininterrupta da inflação para a trajetória de metas, tem contribuído para a redução progressiva da percepção de risco macroeconômico. Como conseqüência deste quadro, o Copom observa que o espaço para juros reais menores no futuro continuará se consolidando de forma natural.

 

Contato