Em noticias

Saiba fazer seu dinheiro render mais ao se aposentar

Tenha uma idéia clara do quanto você gasta por ano e invista seu patrimônio de forma a gerar a renda necessária; caso precise, reveja seus gastos!

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Depois de anos planejando sua aposentadoria, finalmente chegou a hora de dizer adeus aos colegas de trabalho e aproveitar um pouco mais a vida. Os filhos estão crescidos, você já quitou sua casa e conta com um patrimônio que lhe permite gozar alguns prazeres.

Mas, não é agora que você está aposentado, que vai abandonar os hábitos adquiridos durante uma vida inteira de planejamento financeiro. Afinal, ao se aposentar, você não goza da mesma entrada de recursos de quando está na ativa. Exatamente por isso, é importante que não perca controle dos gastos.

Inegavelmente, o planejamento financeiro é a melhor receita para fazer render o dinheiro acumulado. Abaixo selecionamos algumas dicas úteis para quem procura cortar gastos após a aposentadoria:
  • Faça um plano financeiro
    Nada preocupa mais um aposentado do que o medo de ficar sem dinheiro e ter que depender da ajuda dos outros. Estabelecer um planejamento financeiro, sobre como pretende utilizar o dinheiro economizado ao longo dos anos, ajuda a combater estes medos.

    Mesmo que, depois de elaborar o plano, você constate que precisa alterar drasticamente seus hábitos de consumo, o esforço terá valido a pena. Você agora tem uma visão mais clara da sua condição, e tempo para se ajustar à nova realidade. Trata-se de uma situação muito melhor do que descobrir, depois de alguns anos gastando mais do que podia, que suas reservas simplesmente acabaram.

    Quanto você precisa dispor anualmente para manter o seu padrão de vida? Compare este valor com as suas fontes de renda: benefício de previdência social e privada, renda de aluguel etc. Com esta informação em mãos, verifique qual a melhor estratégia de investimento para o seu dinheiro.

    É possível que valha a pena vender o seu imóvel, de forma a garantir maior liqüidez ao seu patrimônio. Mas este tipo de decisão só é possível depois de uma análise detalhada do seu patrimônio. Mantenha o hábito de rever sua estratégia de investimento e situação financeira periodicamente. Afinal, o mercado está constantemente mudando, e aquilo que parece um bom investimento hoje pode não ser amanhã.

  • Evite corroer o seu patrimônio
    Aplique de forma a poder viver da renda gerada por ele. Mas, se isso não for possível, você tem duas alternativas: pode rever seus gastos, ou sacar uma parcela maior do patrimônio.

    Se optar pela segunda alternativa, não resgate mais do que 3-4% do que acumulou por ano. Este tipo de limitação irá garantir uma sobrevida maior para o seu patrimônio. Lembre-se que, dependendo da idade em que se aposentar, você tem mais ou menos anos para garantir o seu sustento. Ajuste este percentual de acordo com isso.

  • Procure melhores taxas e custos
    Ainda que investir na poupança seja bastante seguro, esta não é a aplicação que irá lhe render o melhor retorno. Pesquise e analise com cuidado as opções de investimento quanto ao risco e retorno que oferecem e reflita sobre a possibilidade de consolidar algumas aplicações.

    Um erro comum entre os pequenos investidores é acreditar que, porque têm dinheiro aplicado em fundos DI e CDB, já estão diversificando e obtendo a melhor relação risco-retorno para o seu dinheiro. Isto não é necessariamente verdade. No caso de investir em um CDB pós-fixado, você não necessariamente reduz o risco, mas provavelmente prejudica o seu retorno.

    Por quê? Simples: as taxas cobradas pelos bancos nos fundos tendem a ser mais baixas, quanto maior o valor aplicado. Ao invés de aplicar R$ 10 mil em dois fundos de renda fixa distintos, coloque a mesma quantia em um único fundo, e a diferença de taxas lhe garantirá um retorno bem melhor.

  • Minimize a mordida do Leão
    Invista algum tempo planejando o quanto gasta com imposto de renda, e buscando alternativas de reduzir esta conta. Se você tem mais de 65 anos, mesmo que esteja isento de entregar a declaração, talvez valha a pena fazê-lo. Pois, pode se beneficiar da parcela isenta de aposentadoria, o que pode lhe dar o direito à restituição de parte do imposto pago no decorrer do ano.

    Avalie quais as alternativas mais eficientes de deixar herança. A previdência e a doação em vida são alternativas interessantes de redução do imposto.

    Mas isso também vale para as aplicações financeiras. A mudança na tributação das aplicações financeiras exige que você planeje melhor a forma como investe. Afinal, quanto mais tempo o dinheiro ficar aplicado, menor tende ser a mordida do leão. Reveja seus investimentos e segmente a forma como são aplicados.

  • Corte o desnecessário
    Reveja com cuidado os seus gastos. Quanto você está gastando com tarifas bancárias? Verifique se não existe um pacote de custos mais baixos, agora que seu uso dos serviços bancários irá diminuir.

    Enquanto trabalhava, você precisava ficar à disposição em caso de necessidade. Mas agora, o uso do celular deve ser menor. Sendo assim, por que não pesquisar se existe um pacote mais adequado ao seu padrão de uso do aparelho, ou simplesmente comprar um pré-pago? Por que não trocar o segundo carro por outro menor, e economizar em seguro, IPVA etc?

    O mesmo vale para as apólices de seguro de vida. Avalie novamente suas necessidades. Quando você contratou o seguro pretendia garantir que, em caso do seu falecimento, sua família teria recursos para se sustentar por algum tempo. Faça as contas se isso ainda é necessário, ou se já acumulou o suficiente de forma que não mais precisa se preocupar com isso.

    Aqui as opções variam de acordo com os hábitos de consumo, mas uma coisa é certa: basta um pouco de esforço e você logo identificará áreas onde poderá cortar gastos.

  • Alugue antes de comprar
    Não são raros os casos de pessoas que, ao se aposentar, procuram mudar o seu estilo de vida. As opções aqui variam, desde se transferir para uma região mais tranqüila da cidade, até mudanças mais radicais, de cidade ou Estado, por exemplo.

    Mesmo que tenha passado os últimos anos pensando nesta hipótese e já esteja convencido de que esta é a melhor opção para você, não haja por impulso. Antes de comprar uma casa nova no local onde pretende morar, alugue. Experimente o novo estilo de vida. Afinal, você não quer correr o risco de ver seu patrimônio investido em um estilo de vida do qual não gosta.

  • Aproveite os descontos
    Até pouco tempo atrás os idosos não tinham acesso a nenhum tipo de desconto. Mesmo que este benefício ainda seja pequeno em comparação ao que estas pessoas fizeram pela sociedade, já é possível gozar de algumas vantagens.

    Fique atento aos seus direitos. O Estatuto do Idoso, por exemplo, impede o reajuste por faixa etária dos planos de saúde para segurados acima de certa idade. Se você se enquadra nesta situação, reclame se notar alguma cobrança indevida!
Atenção às fraudes: muitas das vítimas são pessoas idosas atraídas por oportunidades únicas de negócio! Se até agora você nunca se envolveu em situações das quais não tinha absoluto controle, por que mudar de postura a esta altura da vida? Lembre-se: você demorou muitos anos para juntar o seu patrimônio. Dificilmente ele irá dobrar da noite para o dia, sem que você esteja correndo riscos excessivos.

 

Contato