Em noticias

Antes de se aposentar, reflita se seu planejamento foi realmente adequado

Dada maior expectativa de vida, só defina a data de se aposentar quando entender o seu padrão de renda ao se aposentar

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Mais alguns meses e finalmente você vai se aposentar. Não é de hoje que vem se planejando para este dia, e a sua chegada o enche de animação, mas também de muita ansiedade.

Este tipo de sentimento é bastante natural, pois como funcionário você fazia parte de uma estrutura - a empresa -, e podia sempre compartilhar tanto os fracassos como os sucessos, o que proporciona uma sensação de segurança, ainda que ilusória.

Por sua vez, como aposentado você está sozinho: abandona a segurança de um salário, pela responsabilidade de administrar o dinheiro que acumulou e fazê-lo render de forma a lhe garantir um bom padrão de vida.

As questões são várias e, por mais que exista um grande prazer em estar no controle e ser o dono do seu próprio destino, é inegável que, em alguns momentos, é impossível não se sentir intimidado pela responsabilidade. Muitas vezes não é apenas o seu destino que está em jogo, mas aquele do seu cônjuge, e por que não, até dos filhos que, mesmo sendo independentes, poderiam se beneficiar de uma ajuda extra no início de suas vidas.

Decidindo quando parar
A primeira pergunta que vem à cabeça de quem está se aproximando da aposentadoria é como saber ao certo quando é a hora de parar. Antes de responder a esta pergunta é importante ter em mente que, quanto mais tempo for dedicado ao planejamento de sua aposentadoria, melhor e mais tranqüilo será o processo de transição de uma realidade a outra.

Portanto, se você goza de boa saúde, não é obrigado por contrato a se aposentar em uma idade pré-determinada, o melhor é se manter na ativa até que esteja seguro de que já diminuiu, de maneira significativa, toda a incerteza que tinha com relação à aposentadoria. Vale a pena investir algum tempo no entendimento de questões como:
  • Que tipo de renda vou ter?
    Não são raros os casos de pessoas que acham que, pelo simples fato de estarem idosos, poderão seguramente contar com algum tipo de aposentadoria oficial. Infelizmente isso não é verdade. Se você não contribuiu por pelo menos 15 anos, muito dificilmente conseguirá receber uma renda mensal da Previdência Social, que sirva para garantir seu sustento.

    Mesmo para quem contribuiu, é preciso verificar a que tipo de benefício terá direito. Isso porque desde 1999 é aplicado um fator previdenciário que, aplicado ao valor do benefício, ajusta-o com base na expectativa de vida da população, o que significa que se aposentar antes dos 60 anos para as mulheres e dos 65 para os homens, pode implicar em redução do benefício a ser recebido.

    Além da previdência oficial, você contribuiu para algum plano privado que irá complementar a sua renda? Possui outros rendimentos extras, seja de aplicações financeiras, de aluguel de imóveis que possui, ou de "bicos" que pretende fazer após se aposentar? Faça as contas com cuidado e, na dúvida, seja conservador. Planeje como estes rendimentos podem evoluir. No caso dos planos de previdência, eles recebem correção, em geral, com base na inflação; para as aplicações financeiras, faça suas projeções levando em consideração a inflação e os impostos!

  • Qual será meu padrão de gastos?
    A resposta a esta questão varia muito de pessoa para pessoa, pois depende do que pretende fazer ao se aposentar. Se a sua intenção é vender a casa onde mora, ir para um imóvel maior, ou ainda combinar isso com uma mudança para o interior, então você não só está reduzindo seu padrão de gastos, como acumulando uma reserva de dinheiro extra para garantir seu conforto durante a aposentadoria.

    Por outro lado, se a sua intenção é finalmente aproveitar a vida, viajar muito e conhecer lugares que nunca teve tempo para ir, mas não quer abrir mão da casa que tem, pois acredita ser importante ter espaço para quando os netos visitarem, então seu padrão de gastos vai ser maior. Independente do que pretende fazer, você precisa fazer as contas do quanto sua nova realidade de vida irá implicar em termos de gastos e, com esta informação, deve verificar se ela se enquadra na sua realidade de orçamento, ou seja, na renda e no patrimônio que conseguiu acumular antes de se aposentar.

    Para quem já investia no planejamento de orçamento, pode valer a pena começar usando este padrão de gastos como referência, para então efetuar os ajustes necessários com base na sua nova realidade de vida.

  • Por quanto tempo terei que me sustentar?
    Por mais que ninguém queira pensar nisto, é uma variável que deve ser levada em consideração, e que está intimamente relacionada com a data em que pretende se aposentar. Quanto antes você se aposentar, mais tempo terá que se sustentar.

    Portanto, caso pretenda se aposentar cedo, o melhor é considerar mudanças como a que mencionamos acima, na qual a mudança de imóvel pode gerar um patrimônio extra para garantir seu sustento por alguns anos a mais. Não se esqueça que as expectativas de vida anunciadas para a população na verdade são médias. Portanto, se você goza de boa saúde, e teve um bom padrão de vida, certamente viverá muito além da expectativa de vida atual para os brasileiros. E isso deve ser levado em consideração nos seus cálculos!

    Para se ter uma idéia da importância do tema, é preciso analisar a tabela divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que informa a expectativa de vida a uma determinada idade. Para quem acabou de nascer, ou seja, não completou 1 ano de idade, a expectativa é de viver até os 71,3 anos.

    O fato de alcançar uma determinada idade significa que já superou alguns riscos, como o de morrer enquanto criança, e o de outras mortes mais associadas à juventude, de forma que, quem tem hoje 50 anos, conta com a expectativa de viver mais 28,2 anos, ou seja, de alcançar os 78 anos. Mas, se você já está com 59 anos, então a tabela projeta uma expectativa de que viva mais 21,3 anos, e, portanto, chegue aos 80 anos. Os dois anos a mais de sobrevida devem ser considerados nos seus cálculos.
Com base na resposta obtida para as perguntas acima você já terá uma boa idéia se planejou de forma correta a sua aposentadoria. Caso contrário, ainda é possível fazer algumas correções de curso! Para quem ainda não começou seu planejamento, não é preciso se desesperar, estaremos abordando os temas acima em artigos separados, de forma a ajudá-lo nessa tarefa.

 

Contato