Xiaomi anuncia mais 5 lojas físicas no Brasil, e promete manter ritmo forte de lançamentos em 2021

Rio de Janeiro, Paraná, Salvador e São Paulo vão receber as lojas físicas da marca, que quer abocanhar cada vez mais mercado no Brasil

Giovanna Sutto

Publicidade

SÃO PAULO – A Xiaomi, fabricante chinesa de smartphones, anunciou que vai inaugurar mais cinco lojas físicas ao redor do país: uma terceira unidade em São Paulo, duas unidades no Rio de Janeiro, uma no Paraná e uma na Bahia. Também terá uma store in store (loja dentro de outra loja).

Realizado em coletiva online nesta terça-feira (17), o anúncio dá início ao plano de expansão da empresa dois anos após sua chegada oficial por aqui. Hoje, o país conta com duas lojas físicas, que foram abertas em 2019. Ambas estão em São Paulo: uma no Shopping Ibirapuera, outra no Shopping Center Norte.

Veja a localização de cada loja: 

Continua depois da publicidade

Lojas Localidade Data de inauguração
Store in Store Shopping Pq. Dom Pedro (dentro da Fast Shop) Campinas (São Paulo) 21 de agosto
Barra Shopping Rio de Janeiro 9 de setembro
ParkShopping Barigui Curitiba 25 de setembro
Morumbi Shopping São Paulo Meados de outubro
Salvador Shopping Bahia Meados de outubro/novembro
Park Jacarepaguá Rio de Janeiro 18 de novembro

O investimento por loja não foi revelado, mas a promessa é ganhar mais espaço no mercado de smartphones e continuar crescendo. Desde 2019, a empresa já lançou mais de 500 produtos, sendo 33 smartphones. O restante é feito de itens do chamado Ecossistema Xiaomi, ou seja, dispositivos inteligentes de diversas categorias, como balanças, patinetes elétricos, escovas de dentes elétricas e pulseiras MiBand.

“Hoje somos a empresa que mais homologa produtos na Anatel no Brasil, e já temos mais de 7 mil pontos de vendas no varejo. Queremos ampliar ainda mais a presença física em outras localidades, indo além de São Paulo”, afirma Luciano Barbosa, diretor da Xiaomi no Brasil.

Segundo Barbosa, atualmente as vendas da empresa ficam divididas. 50% são smartphones, e 50% são itens do ecossistema. “As lojas físicas são o principal canal para atrair o público a conhecer nossos produtos que não são smartphones, ou seja, entenderem como o ecossistema pode facilitar o dia a dia”, explica.

A empresa quer focar nos ambientes físicos: houve, inclusive, uma redução de oferta de alguns produtos no e-commerce para atender a demanda dos varejistas parceiros ao redor do país.

“Tiramos o pé do acelerador no e-commerce para dar conta dos players de varejo: recentemente foram 250 lojas novas a fornecer nossos produtos, e tivemos que redirecionar nossa oferta. Escolhemos fazer isso”, diz Barbosa.

Efeito pandemia

Essa priorização acontece porque a empresa vem sofrendo para manter o ritmo de produção – assim como outras concorrentes do setor, empresas de tecnologia e montadoras. Faltam peças, como semicondutores, nos fornecedores em todo o mundo, o que prejudica a agilidade de produção e distribuição da Xiaomi.

Segundo Barbosa, a empresa conseguiu mapear muito bem a situação desde que o problema deu sinais de que iria acontecer, ainda em agosto do ano passado.

“Conseguimos evitar alguns atrasos de produção, mas estamos ofertando nossos produtos de forma inteligente, de acordo com a oferta que conseguimos produzir. Então, tivemos que redirecionar alguns itens para atender nossos parceiros”, disse o executivo.

Há uma expectativa de que a normalização das peças demore para acontecer, mas a empresa não pretende reduzir lançamentos. “Tivemos alguns ajustes, mas queremos manter nosso ritmo agressivo de lançamentos para este ano”, afirmou Barbosa. A empresa já fez disponibilizou 50 itens novos neste ano.

Concorrência

A Xiaomi se tornou a segunda maior fabricante de smartphones do mundo no segundo trimestre de 2021, desbancando a Apple pela primeira vez.

De acordo com levantamento da consultoria especializada em tecnologia Canalys Research, a Xiaomi teve participação de 17% no mercado global de smartphones no período. O resultado superou os 14% registrados pela Apple, ficando atrás apenas da coreana Samsung, com 19%.

Ainda, a LG anunciou sua saída do negócio de smartphones até 31 de julho – como já se especulava há algum tempo, para concentrar esforços em negócios de crescimento mais rápido. Embora o estoque atual de aparelhos possa ainda estar disponível para venda hoje, a saída da LG abre mais um espaço para a Xiaomi abocanhar mercado no país.

“Com a saída da LG, fomos procurados por mais varejistas. Há lacunas deixadas, e estamos trabalhando com fornecimento de produtos para os parceiros que já tínhamos e novos também. Mas estamos avaliando com calma, para saber quais praças vamos buscar”, diz o diretor brasileiro.

Outro desafio que a Xiaomi pode vir a enfrentar é manter o preço de seus produtos, geralmente abaixo das principais concorrentes. Com a alta do dólar e a falta de peças, pode ficar difícil manter um patamar tão atrativo, principalmente nos modelos top de linha. O último lançamento, o Mi 11, chega ao público por R$ 8 mil – ligeiramente mais barato do que o iPhone 12 e o Samsung Galaxy S21 Ultra (saiba mais aqui).

“A recomendação global é de margens mínimas. Tivemos mais problemas em manter o patamar dos preços no início da pandemia. Hoje estamos administrando de forma inteligente os lançamentos, para trazer algo atrativo e adequado ao consumidor brasileiro”, afirma Barbosa.

Você pode fazer da Bolsa a sua nova fonte de renda. Inscreva-se, participe gratuitamente do maior evento de Trade do Brasil e aprenda como ganhar dinheiro com ações.

Tópicos relacionados

Giovanna Sutto

Repórter de Finanças do InfoMoney. Escreve matérias finanças pessoais, meios de pagamentos, carreira e economia. Formada pela Cásper Líbero com pós-graduação pelo Ibmec.