Futebol

Usando um acordo de 1920, Ambev cobra WTorre por exclusividade no estádio do Palmeiras

A ideia da companhia é a exclusividade na venda de bebidas no estádio, mas também há uma outra possibilidade levantada pelo Lance!, que seria uma mudança no naming right

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Ambev (ABEV3) está cobrando a WTorre, construtora responsável pela administração do Allianz Parque (estádio do Palmeiras), por alguns direitos comerciais dentro da arena. Porém, é curioso que esta reivindicação está baseada em uma antiga escritura do terreno, datada de 1920. As informações são do jornal Lance!.

O espaço onde hoje fica o Allianz Parque foi comprado naquela época da Antarctica, que hoje está englobada no portfólio da Ambev. No acordo, ficou estabelecido que a companhia de bebidas teria exclusividade na venda dentro do estádio e alguns outros benefícios, como a reserva de lugares nobres na arquibancada para seus diretores. 

A ideia da Ambev, segundo a publicação é a exclusividade na venda de bebidas no estádio, cota que hoje é negociada pela WTorre. Porém, uma outra possibilidade levantada pelo jornal seria uma mudança no naming right da arena para “Allianz Parque Antarctica”, fazendo referência novamente ao antigo nome do estádio.

Aprenda a investir na bolsa

Apesar de toda a discussão, a WTorre, após acionar seu departamento jurídico, disse acreditar que o debate não chegará a lugar nenhum, já que na escritura apresentada à construtora na ocasião da assinatura do acordo com o Palmeiras já não constava a participação da Antarctica.

A WTorre vendeu o nome da arena para a Allianz por R$ 300 milhões, divididos em 20 anos, podendo renovar por mais dez. Antes, a empresa diz que ofereceu os direitos à Ambev, já que o nome “Parque Antártica” já era conhecido pelos torcedores. A empresa teria respondido, à época, que preferia aliar a marca Brahma ao futebol e recusou a oferta, diz o Lance!.

A Ambev confirmou ao jornal a notificação mas negou que tenha reivindicado o naming rights e a venda exclusiva de bebidas no estádio, enquanto a Allianz não quis comentar o caso.