Retomada dos voos

Sobreviventes da crise, aéreas brasileiras ensaiam recuperação

Na América Latina, os voos estão sendo retomados lentamente após o fim das restrições impostas por governos para conter a pandemia

fila de aviões aeroporto aviação companhias aéreas voo covid
(Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — A retomada dos voos no mercado brasileiro dá fôlego a duas das companhias aéreas que sobreviveram à onda de pedidos de recuperação judicial na América Latina.

Gol e Azul – que juntas possuíam participação de cerca de 75% no mercado doméstico brasileiro em julho, segundo o Citigroup – observam recuperação mais rápida do que o previsto da demanda, apesar do nível ainda se encontrar bem abaixo dos patamares pré-pandemia.

Investidores estão cada vez mais confiantes de que aéreas de baixo custo podem sobreviver à paralisação das viagens que levou três das maiores operadoras da região a pedirem recuperação judicial.

Aprenda a investir na bolsa

“As perspectivas são melhores, pois a recuperação da demanda doméstica no Brasil tem sido mais rápida do que o esperado, e pelo fato de a Azul e a Gol estarem focadas no mercado interno”, disse Josseline Jenssen, analista de crédito da Lucror Analytics. “A geração de fluxo de caixa deve melhorar com o aumento da receita.”

Títulos emitidos pela Gol e pela Azul mostram retorno de 70% e 45%, respectivamente, desde o fim de março em comparação com a queda de 6,5% do índice Bloomberg Barclays High Yield Airlines no período.

E as ações dessas empresas subiram 53% e 31%, respectivamente, superando o índice Bloomberg World Airlines. No acumulado do ano, os dois papéis ainda mostram baixa de pelo menos 50%, segundo dados compilados pela Bloomberg.

A Gol disse nesta semana que operou uma média de 270 voos por dia em setembro em relação a cerca de 40 voos diários em abril. A Azul espera operar com cerca de 55% da capacidade pré-Covid em outubro, o que supera sua projeção original de 40% até o fim do ano.

“Mais uma vez, nós continuamos a ver uma melhora na demanda doméstica de passageiros, na medida em que nos aproximamos da alta temporada no Brasil”, disse o presidente da Azul, John Rodgerson, em comunicado.

Na América Latina, os voos estão sendo retomados lentamente após o fim das restrições impostas por governos para conter a propagação do novo coronavírus.

PUBLICIDADE

No pico da crise, Latam Airlines, Avianca e Grupo Aeromexico entraram com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos, em meio às proibições e fraca demanda que as forçaram a aterrar aviões.

Operadoras da região quadruplicaram a capacidade em setembro em relação a maio, segundo dados compilados pela OAG Aviation.

A posição de liquidez da Azul, de R$ 2,3 bilhões no fim de setembro, equivale a uma reserva de caixa superior a 30 meses. As companhias aéreas também avaliam acessar o mercado de capitais para levantar mais recursos com o apoio do BNDES.

Diante do cenário mais positivo, recentemente analistas do Goldman Sachs, Raymond James e Deutsche Bank elevaram a recomendação para as ações das aéreas brasileiras para compra. A companhias podem “não apenas sobreviver, mas prosperar” no que deve ser um ambiente de baixas tarifas por um tempo, escreveram analistas do Deutsche Bank no mês passado.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.