Efeito dominó

OSX não descarta negociar com credores caso OGX entre em recuperação judicial

Informação foi dada pela Agência Estado Broadcast, que credita documento publicado pelo agente fiduciário dos bônus da empresa

Por  Thiago Salomão

SÃO PAULO – A OSX Brasil (OSXB3) afirmou aos seus credores que, em caso de um hipotético pedido de recuperação judicial da OGX Petróleo (OGXP3) ou do não pagamento na data devida do cupom e de outras obrigações da petrolífera de Eike Batista, não descarta uma eventual necessidade de discutir o próximo pagamento de suas obrigações.

A informação foi dada pela Agência Estado Broadcast nesta terça-feira (22) após o fechamento do mercado e credita um documento publicado pelo agente fiduciário dos bônus da OSX, a empresa norueguesa Norsk Tillitsmann, que relata um encontro realizado em 16 de outubro entre o estaleiro do Grupo EBX e seus credores.

Segundo o documento, a OSX teria tomado a iniciativa de se aproximar dos credores com o objetivo de valorizar os detentores de posições na empresa. Atualmente ela tem US$ 500 milhões em bônus com vencimento em 2015, sendo que o próximo cupom vence em dezembro, quando terá que realizar o pagamento de US$ 23,125 milhões.

O agente fiduciário relata que a OSX precisa estar preparada para um pedido de recuperação judicial da OGX, mesmo que não haja uma clara intenção de que isso ocorra. Para a empresa, caso a petrolífera entre formalmente com o pedido e os credores acelerem os bônus, a OSX precisa reagir com conformidade, o que pode resultar em pedido de proteção no Brasil, Holanda e EUA.

Passado da OGX atrapalha
No dia 1º deste mês a OGX Petróleo anunciou, por meio de comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que não iria pagar as obrigações que tinha com seus credores, no valor aproximado de US$ 45 milhões, decorrentes dos bônus emitidos pela OGX Austria, controlada da companhia.

Segundo as cláusulas que regem as referidas notas, a OGX possui a partir daquela data 30 dias para adotar as medidas necessárias sem que seja caracterizado o vencimento antecipado da dívida. Em comunicado, a OGX informou que contratou como assessores os bancos de investimentos Lazard e o Blackstone para coordenar as discussões com os diversos stakeholders envolvidos no processo.

Diante disso, a agência de classificação de risco Moody’s traçou à petrolífera três possíveis desfechos para o dia 1 de novembro: uma recuperação judicial, a reestruturação de sua dívida ou pagar os juros sem reestruturar a dívida.

Empréstimo com a Caixa
Vale lembrar que na manhã desta terça-feira saiu a notícia no jornal O Estado de S. Paulo – que creditou uma fonte anônima com conhecimento no assunto – de que a OSX deve conseguir prorrogar o empréstimo de R$ 400 milhões com a Caixa Econômica Federal. Atualmente o empréstimo é garantido por fiança bancária do Santander e venceu no sábado (19).

Como o vencimento se deu no fim de semana, o prazo final para cumprimento da obrigação ou sua renovação era segunda-feira (21). Embora a Caixa ainda não tenha recebido a confirmação da garantia, a fonte do jornal disse que as negociações evoluíram durante o fim de semana, o que indica a possibilidade de extensão da data de vencimento do empréstimo.

Compartilhe