Ex-blue chip

“Os astros se alinharam e é hora da Paranapanema virar o jogo”, diz presidente

Em entrevista exclusiva ao Portal InfoMoney, Edson Monteiro tenta garantir que a troca de presidência ocorreu da maneira mais tranquila possível

SÃO PAULO – A troca de uma presidente em uma companhia de capital aberto traz dúvidas ao investidor. A Paranapanema (PMAM3) destaca que essa transição deverá ser tranquila, com a saída do atual comandante Luis Antonio Ferraz nessa sexta-feira (1) para a entrada de Edson Monteiro, atual vice-presidente da companhia, que ficará no cargo até que se encontre o substituto. 

Em entrevista exclusiva ao Portal InfoMoney, Monteiro tenta garantir que a troca ocorreu da maneira mais tranquila possível – já que Ferraz havia planejado a troca desde dezembro e teve esse período para alinhar a estratégia. “Estamos querendo nos posicionar no mercado para tranquilizar, há um grupo de diretores motivados, com grande domínio do negócio, vamos continuar a gestão anterior”, afirma o novo presidente. 

E Monteiro acredita que 2013 deve ser um bom ano para a companhia. “Costumo falar que os astros se alinharam e agora é hora de virar o jogo aqui na Paranapanema”, destaca o novo presidente. Ele salienta que vários projetos deverão adicionar capacidade de receitas para a companhia, que pode fazer com que a empresa volte a se destacar, como na década de 80, quando a Paranapanema representava 28% de todo o Ibovespa. A empresa com maior participação atualmente, a Vale (VALE3; VALE5), tem cerca de 10%.

Empresa quer se tornar um “player global”
Ele salienta que as reestruturações necessárias já foram realizadas sob a presidência de Ferraz, sendo a última a entrada da companhia no Novo Mercado da BM&FBovespa. “Aliado ao cenário macroeconômico estamos em um momento ímpar para a companhia, com o fim da guerra dos portos, o plano Brasil Maior estimulando exportações, os nossos projetos. Tudo isso traz bastante valor para a companhia”, destaca. 

Nos últimos anos, a companhia realizou investimentos vultuosos para expansão de produção, com a instalação de diversas fábricas, que estão produzindo ou próximos de iniciar a produção. Agora, Monteiro quer levar à empresa para um novo patamar. “Queremos consolidar a empresa como um grande player internacional”, afirma. 

No momento, a companhia é voltada principalmente para o mercado de cobre, e seus derivados, no Brasil, mas tem interesse em mais. “Olhamos as oportunidades no mercado externo, mesmo sempre tendo maior relação com o mercado interno”, diz. 

Novos processos de gestão
Monteiro ressalta os avanços administrativos que a empresa vem passado. “Eles já nos p
ermitem antecipar o balanço de 2012 ao final de fevereiro, o que historicamente sempre foi feito em abril”, salienta o executivo, que acredita que no final de abril a companhia já estará publicando o resultado do primeiro trimestre de 2013. 

E esses processos, que permitem um maior controle da empresa sobre ela mesma, geram valor ao acionista, ressalta Monteiro. “Atuamos no cobre de maneira competitiva, e é hora de mostrar eficiência nesse segmento, vamos focar soluções que trazem valor para companhia, aliado com o cenário macroeconomico”, diz.

E se o conselho empresa assim decidir, Monteiro não descarta a hipótese de que a Paranapanema não tenha que mudar de presidente novamente. “Nada impede que eu participe do processo de escolha para me tornar presidente definitivo, mas não quer dizer que essa deve ser a tendência”, finaliza.

PUBLICIDADE