Em negocios / noticias-corporativas

Como se preparar para o boom da chegada do 5G?

Paulo de Godoy, country manager da Pure Storage no Brasil, explica como esse avanço de conectividade pode transformar a forma de fazer negócios

A implementação do 5G no Brasil está cada vez mais próxima – e não há dúvidas que essa novidade na rede de comunicação irá revolucionar a forma de lidar e interagir com os dispositivos. A conectividade ultrarrápida de baixíssima latência do 5G será capaz de trazer para o dia a dia conceitos futuristas, como realidade virtual, carros autônomos e robótica avançada.

Na América Latina, o Uruguai foi o primeiro país a receber a rede, em abril deste ano. Atualmente, a Anatel está em fase de definição de regras com a Nokia para o maior leilão de 5G do mundo, que pode permitir a implementação definitiva dessa conectividade inovadora no Brasil já em março de 2020.

A partir desta boa notícia, é importante lembrar que o 5G não é apenas um meio de conexão entre dispositivos e torres de celular. Se trata, principalmente, de como os dados irão se movimentar por toda a rede. A introdução dessa conectividade abre um universo de oportunidades para as empresas, mas, por outro lado, é preciso compreender o papel fundamental do armazenamento de dados para o sucesso das estratégias de negócios. Até porque, os dados se tornaram os bens mais valiosos e o armazenamento dessas informações nada mais é do que o cofre desse tesouro.

A IDC prevê que o número de dados gerados no mundo inteiro até 2025 chegará a 163 zettabytes (ZB) – uma marca incrível e que tende a aumentar exponencialmente conforme as aplicações de Internet das Coisas (IoT) começarem a se consolidar. Esse volume enorme de dados que serão gerados pela comunicação instantânea entre dispositivos exige soluções rápidas de armazenamento para oferecer suporte à conectividade - algo que os discos rígidos não podem fornecer. O armazenamento em flash, no entanto, está à altura da tarefa de receber solicitações de vários dispositivos que serão conectados às redes 5G. A capacidade de acessar dados com rapidez e eficiência do armazenamento em flash será o diferencial para as empresas que tentam se manter à frente de seus concorrentes.

O flash, além de mais eficiente em tamanho e velocidade do que outros meios de armazenamento, é também necessário para que as empresas se mantenham competitivas. Os dados das aplicações 5G precisarão ser processados e analisados em tempo real, sem espaço para latência – resultando em respostas para tomadas de decisões de negócios e insights em tempo recorde. A troca de informações em um veículo autônomo com pessoas dentro, por exemplo, não pode aguardar enquanto os dados saem do carro, chegam a um data center distante e voltam para o carro. Da mesma forma, uma empresa não pode depender de um hardware legado para processar e analisar montanhas de dados, quando uma solução mais eficiente é utilizada pelos concorrentes.

Os protocolos de Memória Não-Volátil Express (NVMe), totalmente compatíveis com a tecnologia flash, também facilitam a acomodação de cargas de dados, permitindo que o armazenamento seja computado na borda e evite que o drive de estado sólido, cada vez mais popular, se comporte como um disco mecânico sobre uma determinada capacidade. Como as unidades de estado sólido, que usam memória flash, não possuem as mesmas limitações mecânicas de seus predecessores, o NVMe permite que milhares de filas de comando se movam por diferentes caminhos para viabilizar um tráfego fluído na rede, oferecendo velocidade muito superior, capaz de acompanhar as demandas do 5G.

Além do NVMe, a Inteligência Artificial (IA), que já é parte do dia a dia tanto de empresas como de usuários finais, desempenha um papel fundamental na classificação de dados e na garantia de que apenas dados críticos para funções importantes são comunicados. Tudo isso deve ser feito em tempo real – recurso fornecido pela combinação do armazenamento em flash com o NVMe. A IA é uma parte importante de todo upgrade de infraestrutura que leve em consideração a futura explosão de dados.

Garantir uma infraestrutura de armazenamento capaz de lidar com o imenso volume de novos dados sendo initerruptamente gerados por dispositivos pode não parecer uma necessidade urgente em 2019, mas será um fator-chave nas decisões de TI nos próximos anos. Essa velocidade na progressão dos dados mostra que a adoção da tecnologia flash é a forma mais eficiente de armazenar as informações. Para as empresas da América Latina, o momento de evoluir para o armazenamento em flash e incorporar uma plataforma centrada em dados que seja capaz de lidar com o 5G é agora. Se mover agora para se antecipar ao boom de dados 5G significa sair na frente e estar mais preparado para planejar o futuro tecnológico do ambiente organizacional.

 

(*) Paulo de Godoy é country manager da Pure Storage no Brasil

 

Tudo sobre: 

Contato