Em negocios / noticias-corporativas

Chegou a hora de profissionalizar a Advocacia

Evento reúne advogados em mídias sociais e oferece aprendizado em empreendedorismo jurídico.

Gestão legal, inovação, marketing jurídico, automação, compliance, controladoria, finanças foram algumas das pautas do Julho Especial para Advogados. Evento online que reuniu mais de 30 mil advogados ao vivo, em 29 encontros.

Segundo Daniela Mascarenhas, idealizadora do projeto, o evento é mais que um circuito de lives. “O Julho para Advogados associa conhecimento, tendências e estratégias de negócios, boas práticas em um ambiente interativo que estimula e promove uma reflexão inteligente sobre a atuação dos advogados em seus respectivos mercados”, diz.

Além de ouvir e interagir com 33 palestrantes e especialistas em gestão jurídica, os advogados tiveram a oportunidade de repensar suas práticas, a partir de propostas que podem dinamizar as suas atividades, trazer mais eficiência a gestão e lucratividade aos escritórios.

 

MUDANÇAS NO MERCADO JURÍDICO

O Brasil já é um dos países com mais advogados do mundo, e ainda vive uma expansão acelerada de cursos de Direito após o Ministério de Educação facilitar novas aberturas para a graduação. Dados do Cadastro Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) dão conta que o número de advogados habilitados no país já supera 1,1 milhão.

Para a advogada e coach Tatiane Goldhar, a sociedade passa por momentos turbulentos, quando os valores precisam ser revistos e ressignificados. “Vivemos um tempo de insegurança jurídica, as demandas mudaram, assim como os próprios entendimentos da Justiça. Por isso, é hora do advogado repensar a sua prática, atuando mais de forma consultiva, preventiva ou ainda gerindo conflitos, privilegiando os acordos extrajudiciais, ao invés de ficar preso ao único modelo de ingressar às suas demandas ao judiciário”, disse.

“Definitivamente não dá mais para tomar decisões e tampouco agir com a lógica do passado, o advogado precisa sair da zona de conforto, planejar e ser mais protagonista da sua própria carreira”, destacou em sua live, Afonso Paciléo.

A competitividade associada à evolução tecnológica, ao aumento do poder de barganha do cliente e as mudanças no comportamento das pessoas tem impacto direto na evolução do mercado jurídico, revelou o consultor em gestão legal, Mario Esequiel. “As evidências estão aí: no próprio processo eletrônico, nos novos formatos de contratos, nas relações de trabalho, nos modelos de negócios jurídicos. Não importa o quão tradicional é o escritório ou conservadores são os advogados as mudanças chegaram e continuam batendo à porta”, explicou.

 

PROSPECÇÃO DE CLIENTES

Com as informações a um clique, os clientes ficaram mais conscientes do seu papel, comparam preços de honorários e não são mais impressionados pelo juridiquês. “Ao contrário, preferem conteúdos úteis, escritos de forma clara”, informou o jornalista e SEO do ADVBOX, Lucas Steinmetz.

Com as limitações do Código de Ética da OAB, os escritórios precisam produzir conteúdos informativos e relevantes para atrair potenciais clientes à sua mesa de negociação. Nesse aspecto, aprender técnicas de copywriting, SEO para ranquear textos no Google, escrever bem para o JusBrasil, produzir conteúdos para redes sociais devem fazer parte da rotina de uma banca que deseja se diferenciar, ter mais visibilidade, construir autoridade e agregar valor aos seus serviços jurídicos.

Para Mascarenhas, o desafio do advogado moderno é ter um maior entendimento do seu negócio e dos seus recursos internos. Estudar o seu mercado, definir como e para quem vai atuar, buscando se desenvolver para somar essas novas competências ao conhecimento do Direito. “O Marketing Jurídico pode ser o grande aliado do advogado na captação e retenção de clientes, mas é preciso ter alguns cuidados, vez que não é receita de bolo e a sua utilização não está restrita as redes sociais, como muitos influenciadores do Direito preconizam”, e completa “ele diz respeito ao alinhamento estratégico do negócio jurídico com todos os públicos capazes de influenciar de alguma forma o seu sucesso”, disse.

 

GESTÃO INTELIGENTE E AUTOMAÇÃO

E por falar em resultados, além da atração de clientes qualificados, o advogado empreendedor precisa investir na padronização de processos, definição de indicadores, controles e tecnologia para ganhar produtividade, escala, rentabilidade e eficiência operacional, foi o que defenderam as advogadas e consultoras em gestão jurídica, Samantha Albini e Érika Siqueira em suas respectivas lives.

“O sucesso da implantação de uma Controladoria está diretamente relacionada à liderança do advogado gestor nos processos internos da banca”, ressaltou Samantha. “Apenas ele pode tomar as rédeas das decisões, vez que as mais importantes raramente agradam a todos”, disse.

“A implementação da tecnologia em um escritório também é um desafio principalmente por questões culturais”, afirmou Eduardo Koetz, advogado da KOETZ ADVOCACIA e CEO da ADVBOX, no painel Inovação e Gestão de Novas Tecnologias. Koetz revelou que houve um caso que a implementação do software demorou mais de seis meses e a solução foi capacitar a toda equipe da banca, mostrando os benefícios da ferramenta.

Leadro Torres, da KURRIER INTELIGÊNCIA JURÍDICA, no mesmo painel, ressaltou a utilização da tecnologia como ferramenta de inteligência. “A Jurimetria, por exemplo, pode auxiliar o advogado a reunir informações concatenas a necessidade do seu cliente e a partir daí, ajudar na tomada de decisão, quanto às estratégias para uma determinada demanda jurídica”, disse.

 

OS CUSTOS DOS ESCRITÓRIOS

“Um ponto essencial, na busca pela profissionalização do escritório é conhecer profundamente os seus custos e despesas, o valor da hora dos advogados, estagiários, o custo dos processos pelo período em que esses estão na banca”, informou a consultora em gestão jurídica financeira, Beartriz Machnick. 

Machnick relevou ainda que é preciso ponderar se o cliente de fato exige ou está disposto a pagar por uma determinada infraestrutura ou know-how da banca. “O advogado precisa entender que para toda despesa é preciso gerar uma receita, assim ele não vai ‘pagar para trabalhar’”, explicou.

O Julho Especial para Advogados compartilhou mais de 35 horas de conteúdo relevante, que agora será disponibilizado gratuitamente a todos os profissionais da área.

 

Tudo sobre: 

Contato