Em negocios / noticias-corporativas

Como a telemedicina atua para salvar vidas com tecnologias digitais que trabalham em tempo real?

Cases brasileiros e estrangeiros revelam os benefícios da saúde a distância, como agilidade no atendimento e disponibilização de especialistas

Nem todo mundo sabe, mas já é possível utilizar a internet como um meio para se conectar com um médico de forma instantânea. A saúde digital, que mais parece uma possibilidade futurística, é uma realidade no Brasil e já bastante comum em países mais desenvolvidos. Pesquisas da Market Research Future revelam que o mercado global de telessaúde atingirá um crescimento de 29,8% entre 2017 e 2023. A previsão para o Brasil em 2019, é que a telemedicina movimente entre US$ 7 bilhões e US$ 8 bilhões, segundo a Healthcare Information and Management Systems Society.

O cardiologista e especialista em telessaúde, Dr. Carlos Camargo, CEO da Brasil Telemedicina – que ultrapassa 6 milhões de interações médicas online -  declara que a solução para disponibilizar saúde para mais pessoas está na tecnologia para atendimento remoto. Por isso, os investimentos da empresa neste primeiro semestre giram em torno de R$ 5 milhões, entre projetos locais, na Europa, no Paraguai e em Angola, com plataformas de tecnologia 100% brasileira.

“Cerca de 70% dos médicos especialistas estão reunidos no Sudeste e no Sul, o que denota a ausência deles tanto no interior dos estados, quanto nas demais áreas do país. A interação de saúde diagnóstica oferecida pela telemedicina viabiliza soluções digitais para um atendimento médico a distância com rapidez, segurança e qualidade, seja onde o indivíduo e o médico estiverem e em tempo real”, levanta Camargo.

Conforme os últimos dados demográficos divulgados pelo Conselho Federal de Medicina, em 2020, o Brasil já terá ultrapassado a marca de meio milhão de médicos que, entretanto, têm a tendência de continuarem distribuídos de forma desigual em todo o território. As 27 capitais brasileiras reúnem 23,8% da população e 55,1% dos médicos, ou seja, mais da metade dos registros médicos estão concentrados onde mora menos de ¼ da população do Brasil.

Para o Dr. Anis Ghattás Mitri Filho, cardiologista e diretor da TreeMed Gestão Inteligente em Saúde, a telemedicina torna o acesso à saúde universal, para um número elevado de pessoas, a um custo viável e de maneira imediata.

Quando pessoas estão em uma situação de catástrofe, onde o acesso às equipes médicas e de saúde é precário, apenas com uma antena de satélite que puxa sinal de internet, é disponibilizado apoio médico no mesmo instante. Além disso, há a possibilidade de se aproximar médicos com grande expertise em determinado assunto, universalizando conhecimentos por vias digitais para que demais profissionais tenham acesso a essa informação”, salienta o cardiologista.

Exemplos de casos em que a telemedicina exerce uma função humanitária de apoio médico emergencial

Serviço de teleassistência para hospital oncológico em Piracicaba-SP

Lançado esse mês, o Hospital Ilumina de Prevenção e Diagnóstico Precoce do Câncer chega à Piracicaba-SP para os pacientes da rede pública de forma totalmente gratuita. Dentre as inovações, destaque para o investimento na telemedicina, através da teleassistência de médicos especialistas para a equipe do SUS.

O médico que estiver na atenção básica vai dispor de um link para acessar o especialista da equipe do hospital e, prontamente, em um plantão, este profissional vai responder como é possível agilizar a vida do paciente que está no posto de saúde”, salienta Dra. Adriana Brasil, presidente do hospital, em entrevista no lançamento do empreendimento.

O projeto visa rastrear 100% da população de Piracicaba nos cânceres de mama, colo de útero, pele e boca e tem como meta reduzir o tempo de diagnóstico da doença a 72 horas, que, hoje, é de cerca de 8 meses pelo Sistema Único de Saúde.

O hospital já está preparado para o apoio médico remoto, com salas desenvolvidas para a videoconferência virtual e equipamentos de alta qualidade para esse relacionamento dinâmico”, completa Dr. Carlos Camargo, parceiro do projeto.

Telemedicina no Paraguai para vítimas de inundações

O Paraguai está em estado de emergência devido aos fortes temporais, comuns neste período do ano e que afetaram mais de 200 mil pessoas. A necessidade de acolhimento médico imediato é notória, sendo essa uma atual preocupação dos governantes do país.

Por isso, a Brasil Telemedicina e a TreeMed se reuniram, esse mês, com o ministro e chefe do gabinete civil, Julio Brizuela, para atuarem no atendimento às vítimas da inundação das cidades de Pilar e Chaco, onde as pessoas estão ilhadas e necessitando de orientação médica com urgência.

O governo vai disponibilizar as plataformas da Brasil Telemedicina para prestar pronta assistência online a essas pessoas, que estão isoladas. Serão utilizadas a teleconsulta com orientação médica, a teleassistência para segunda opinião e o telemonitoramento integral de pacientes. Além disso, estuda-se a aplicação desses produtos em unidades móveis em todo o país, em carretas com ambulatório, centro cirúrgico e a disponibilização de equipamentos como eletrocardiograma, raio-x e exames como o papanicolau”, ressalta Camargo.

O ministro Julio Brizuela publicou o apoio à saúde digital em suas redes sociais, como sendo uma solução para a atual necessidade do país.

A telemedicina é um recurso tecnológico que possibilita a otimização dos serviços de cuidados em saúde, poupando tempo e dinheiro, e facilitando o acesso a áreas distantes para ter atenção de profissionais especialistas”, explica o ministro.

Telemedicina em Angola para seguradoras de saúde

De acordo com a Organização Mundial de Saúde e o Banco Mundial, Angola é o país lusófono com a pior cobertura de saúde. No início de 2019, em entrevista para mídia local do país, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, revelou que a nação necessita de mais 30 mil médicos, havendo, assim, um grande esforço das autoridades para a melhoria da assistência à saúde.

Será iniciado o atendimento para 4 seguradoras de saúde do país, sob coordenação da Brown Seguros. Com a atuação de equipes angolanas e brasileiras, haverá ambulatório médico digital, teleassistência para médicos, psicólogos online e a monitorização de pacientes crônicos. Em breve, terá ainda o atendimento de laudos a distância em clínicas equipadas com eletrocardiograma, raio-x, tomografia e eletroencefalograma”, conta Dr. Carlos Camargo.

Situação da telemedicina no Brasil

Este ano, o Conselho Federal de Medicina divulgou a Resolução 2.227, que regulava novos pontos no atendimento digital, mas o meio médico levantou críticas, como a falta de debate sobre o tema. Assim, voltou a valer a Resolução 2.002, aprovada em um momento tecnológico diferente do atual e que não aborda aspectos como a segurança digital.

É necessária uma mudança cultural, pois a telemedicina veio para somar, já que auxilia o trabalho do médico presencial e amplia possibilidades de prestação de serviços que eles têm. Hoje, o médico realiza diversas assessorias por telefone, sem regulamentação e de forma gratuita.”, comenta Dr. Anis Ghattás Mitri Filho.

Pesquisas do IBGE apontam que, enquanto em 2017 a população de idosos era de apenas 8%, em 2060 a previsão é de que seja de 55%. Para Dr. Carlos Camargo, uma forma de garantir a longevidade com qualidade e bem-estar, não só das pessoas mais velhas, mas de todos os doentes crônicos, é expandir a telemedicina, com o apoio dos médicos.

 “Vivemos um momento em que tecnologia avança como nunca para todos os setores e por que não avançaria também para a saúde, especialmente com o aumento da população idosa? Há ainda uma grande resistência da comunidade médica no Brasil e é importante quebrar esse paradigma, pois existe uma má interpretação em relação ao papel da saúde digital. Nunca o computador vai substituir um médico, pois as ferramentas online não são um fim, mas, sim, um meio de se acessar um profissional, com velocidade, segurança e ética”, conclui Camargo.

Website: https://brasiltelemedicina.com.br/

 

Tudo sobre: 

Contato