Varejo

Itaú revisa recomendação de varejistas e mantém preferência para Lojas Renner

Corretora corta recomendação dos papéis da Guararapes, mas ainda estima potencial de ganhos para Lojas Marisa

SÃO PAULO – Incorporando o cenário macroeconômico recentemente divulgado, a Itaú Corretora revisou suas estimativas para a Guararapes (GUAR3) e Lojas Marisa (AMAR3), mas manteve preferência para as ações da Lojas Renner (LREN3).

Os analistas Juliana Rozenbaum e Vitor Paschoal optaram por rebaixar a recomendação da Guararapes para market perform (desempenho em linha com a média do mercado), em função de altos mútiplos e um potencial de valorização limitado, mas mantiveram a Lojas Marisa com a mesma recomendação. 

Na visão deles, a combinação de uma companhia mais cíclica com ações de menor liquidez, em comparação com a Lojas Renner justifica os atuais descontos nos múltiplos de negociação em relação a esta última, o que reforça essa recomendação para Lojas Marisa. O preço-alvo de AMAR3 é de R$ 34,80 – um potencial de valorização de 10,48% em relação ao fechamento desta segunda-feira (17).

Segundo os analistas, os resultados da Marisa são normalmente muito melhores ou piores do que as expectativas, ou que a comparação com seus pares. Diante disso, eles receam que a inexistência de um planejamento estratégico adequado de longo prazo deixe a companhia mais exposta ao ciclo.

Desse modo, eles continuam preferindo a Lojas Renner – com recomendação outperform (desempenho acima da média) e preço-alvo de R$ 83,50 (potencial de alta de 5,23%) – em relação a Lojas Marisa e Guararapes. 

Apesar do desempenho operacional irregular em 2012, todas as três varejistas de grande porte apresentaram desempenhos notáveis. A Lojas Renner se valorizou em 68% no acumulado do ano; Marisa aumentou 87%; e Guararapes apresentou alta de 33%. 

“Quando observamos os múltiplos de negociação do ano de 2013 para cada uma dessas empresas não conseguimos evitar o medo das alturas; isto posto, em termos relativos, acreditamos que as diferenças atuais nos múltiplos podem ser justificadas pelas relevantes divergências qualitativas entre as companhias”, disseram os analistas.

“Apesar de termos sido otimistas quanto à capacidade da Guararapes de melhorar as suas margens, em virtude da nova orientação de suas atividades industriais, baseada no varejo, não vemos os retornos aumentando em um nível suficiente para compensar o capital investido”, comentam.

Sendo assim, eles apontam que o retorno sobre o capital investido (ROIC, na sigla em inglês) não é elevado o bastante para justificar as ações sendo negociadas a 16,2x o P/L de 2013. O preço-alvo da GUAR3 é de R$ 34,80 – o que configura um potencial de valorização de 17,26% em relação ao fechamento desta sessão.

PUBLICIDADE