Recomendação

Itaú reduz preço-alvo de Braskem por ver risco no curto prazo

De acordo com a corretora, o risco nos papéis está na desvalorização do real e no resfriamento da economia mundial

(Divulgação/Braskem)

SÃO PAULO – O Itaú BBA reduziu o preço-alvo das ações da Braskem (BRKM5), por avaliar diminuição de ganhos com o setor de resinas, dado ao crescimento fraco da economia global somado à depreciação do real.

O preço foi revisado de R$ 18,50 para R$ 17,60, o que representa um potencial teórico de alta de 33,19% para as ações da companhia. A recomendação para os ativos continuou como “na média do mercado”.

Na visão da corretora, apesar de os papéis poderem apresentar riscos no curto prazo, o quadro é mais positivo para o ano que vem, quando é esperado que os resultados aumentem, impulsionados por um panorama melhor da economia mundial e de maior demanda no apetite interno.

A equipe realçam, no entanto, que o espaço para ganhos é limitado, pois os preços atuais da companhia já refletem os possíveis efeitos positivos de 2013. De acordo com os analistas Paula Kovarsky e Diego Mendes, tirando a estimativa do PIB (Produto Interno Bruto) para o ano que vem, de cerca de 4,5%, esperamos que os maiores volumes da petroquímica impulsionem os ganhos com os papéis.

“A decisãoo do governo brasileiro de elevar as taxas de importação de produtos petroquímicos tem contribuído produtores nacionais a aumentarem suas participações nos mercados, e vemos oportunidade para que a empresa cresça ainda mais o seu market share”, acrescentaram.