Em negocios / grandes-empresas

Novo presidente do conselho da Vale, reajuste do diesel, disputa entre frigoríficos e outros destaques

Confira os destaques corporativos desta segunda-feira (6).

JBS - Bloomberg

SÃO PAULO - No Radar InfoMoney desta segunda-feira (6), os destaques são o novo presidente do conselho de administração da Vale, o aumento do preço do diesel pela Petrobras e a briga pela habilitação de frigoríficos para vender à China. Além disso, a agenda de divulgações de resultados corporativos está cheia, com as publicações de balanços, após o fechamento do mercado, de BR Distribuidora, BB Seguridade, Magazine Luiza, Vulcabrás, AES Tietê, CPFL Renováveis, Duratex, Marcopolo, Unidas e, antes da abertura, do Banco ABC.

Vale

A Vale informa que o atual presidente do Conselho de Administração da companhia, Gueitiro Matsuo Genso, será substituído por José Maurício Pereira Coelho. Segundo a mineradora, Pereira Coelho é um executivo com sólida experiência em finanças, relações com investidores, M&A, governança corporativa, planejamento estratégico e extensa atuação em conselhos de administração de companhias listadas no Novo Mercado da B3. Conforme a Vale, o executivo assumiu a presidência da Previ em julho de 2018 após ocupar diversas posições na diretoria do Banco do Brasil desde 2009.

Braskem

A Braskem afirmou ser possível que não consiga arquivar o Formulário 20-F 2017 até 16 de maio, novo prazo dado à empresa pela Bolsa de Valores de Nova York (Nyse). A companhia diz que segue empreendendo esforços importantes e recursos significativos, e trabalhando para concluir os procedimentos e análises sobre os seus processos e controles internos. O caso envolve investigações ligadas à Operação Lava-Jato. Caso o Formulário 20-F 2017 não seja arquivado até tal data, a companhia estará em descumprimento com as exigências de listagem da Nyse. Se isso ocorrer, a Nyse deverá dar início aos procedimentos para deslistagem e, simultaneamente, suspenderá a negociação das American Depository Shares (ADSs) da empresa.

JBS, Marfrig e Minerva

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se disse “perplexa” com as queixas da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) sobre a lista de 24 unidades bovinas que será entregue pelo governo brasileiro aos chineses em busca de novas habilitações, segundo o jornal Valor Econômico. A disputa se encontra na lista de plantas, que estaria privilegiando a JBS, que tem sete frigoríficos, e a Minerva, com quatro. Das grandes companhias de carne bovina, apenas a Marfrig faz parte da Abrafrigo. JBS e Minerva estão com a Abiec, outra associação das indústrias exportadoras de cares.

Ainda em relação às exportações de carne, o presidente Jair Bolsonaro informou ontem, por meio do Twitter, que o governo chinês autorizou exportadores de carne de porco do Brasil a embarcar também a gordura comestível do animal. Segundo ele, o objetivo é suprir uma lacuna de demanda deixada pela peste suína. O presidente acrescenta que a medida atende a um pedido feito pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). "Segundo a entidade, o subproduto tem valor de mercado superior ao das carnes tradicionais. Até o fim de 2019, a China pode ter um déficit de oferta de 1 milhão a 2 milhões de toneladas no processamento de suínos. Podemos avançar muito neste setor", afirma o presidente na rede social.

Sobre o Minerva, a unidade de Abaetetuba (PA) foi interditada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) do Estado. O órgão informou que a medida deve-se ao descumprimento de condicionante de licença ambiental e ao exercício de atividade em desacordo com a licença de operação. A empresa teria construído e utilizado, sem autorização, uma vala para escoar os dejetos dos animais no rio Curuperê. A Minerva Foods S/A informou que não comenta casos jurídicos em andamento, mas reitera que adota as melhores práticas na condução de suas atividades e atua em colaboração permanente com os órgãos de controle ambiental e social.

Petrobras

A Petrobras decidiu aumentar o preço médio do diesel comercializado nas refinarias em R$ 0,0577, enquanto o preço da gasolina permanecerá inalterado. A informação consta do site da empresa, no qual a petroleira lista os valores praticados em 37 postos de suprimento do mercado nacional, para a gasolina, o diesel S10 e o diesel S500. Com o reajuste de 2,57%, o preço do diesel passará de R$ 2,247 por litro para R$ 2,3047. O aumento passou a valer sábado, dia 4.

O último reajuste feito pela Petrobras no diesel ocorreu no dia 18 de abril, quando a estatal promoveu uma alta de R$ 0,10 por litro, valor que correspondeu a um aumento de 4,8% no preço médio do produto. Seis dias antes, a estatal havia anunciado uma elevação de 5,7% no diesel, mas suspendeu o ajuste após um pedido do presidente da República, Jair Bolsonaro, que manifestou preocupação com as ameaças de uma nova greve dos caminhoneiros.

BR Distribuidora

A BR Distribuidora informa o recebimento de mais uma parcela de valores referentes aos Instrumentos de Confissão de Dívidas (ICDs) assinados com a Eletrobras e suas distribuidoras de energia. Até hoje, a companhia recebeu o montante de cerca de R$ 2,172 bilhões, dos quais R$ 127,8 milhões correspondem à 12ª parcela. Foi concluída também a operação de transferência do controle acionário da Amazonas Distribuidora de Energia para o Consórcio Oliveira Energia/Atem.

Santander

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o presidente do Santander no Brasil, Sergio Rial, destacou que a filial brasileira voltou a ser a mais importante no conglomerado, atingindo, no fim de março, a fatia histórica de 29% nos resultados globais do grupo espanhol - mais do que Inglaterra e a própria Espanha juntas. Com isso, cogitou-se, no início do ano, que Rial seria colocado à frente do Santander, na matriz, destacou a publicação. "Com 30% do resultado do grupo, eu já estou no comando global", disse Rial, acrescentando que já faz parte do comitê executivo global do banco.

Klabin

O jornal Valor Econômico destaca que a Klabin destinará cerca de R$ 2 bilhões para o seu novo ciclo de crescimento, que consumirá um total de R$ 9,1 bilhões em aportes até 2023. Os desembolsos para o projeto Puma 2 começam este mês. Com a nova expansão, a companhia adicionará ao mesmo 920 mil toneladas à sua capacidade, integradas à produção de celulose.

Gol e Azul

O leilão pelos ativos da Avianca está marcado para amanhã, às 13h, em São Paulo. Latam, Gol e a Azul estão habilitadas para participar do certame. Serão leiloadas sete unidades produtivas isoladas (UPIs) da companhia aérea, com slots (autorizações de pouso e decolagem) nos principais aeroportos brasileiros, concorridos por todas as empresas, além do programa de fidelidade Amigo.

Enquanto isso, a Latam fechou contrato com a Aircastle para arrendamento de 10 aeronaves Airbus A320-200, que estavam na frota da Avianca Brasil. Segundo a Latam, a negociação com a arrendadora estava em andamento desde o começo deste ano.

Omega

A Omega Geração terminou o primeiro trimestre deste ano com um prejuízo líquido de R$ 24,0 milhões, cifra 41% maior do que no mesmo período de 2018. Segundo a empresa, o prejuízo está relacionado ao fato de que seus ativos têm um desempenho com perfil sazonal. Isso significa que, na média, dois terços da geração de energia do ano ocorrem no segundo semestre, embora as despesas com juros e depreciação sejam lineares, criando um descasamento entre receitas e despesas. Dessa forma, a concentra os lucros no segundo semestre.

O Ebitda atingiu R$ 75,5 milhões, aumento de 10% na mesma base de comparação. O Ebitda ajustado, sem itens considerados não recorrentes e sem efeitos sobre o caixa, chegou a R$ 102,7 milhões, um crescimento de 44%. A receita líquida totalizou R$ 198,1 milhões no período, avanço de 10%.

M.Dias

A M.Dias Branco vai inaugurar ainda neste semestre seu sétimo moinho, em Bento Gonçalves (RS), com investimentos de R$ 300 milhões, destaca o Valor. No local, funciona a fábrica de biscoitos e massas da marca Isabela, que agora contará com fornecimento próprio.

Burger King

O Burger King publicou no Facebook um vídeo em que ironiza o veto à campanha do Banco do Brasil pelo presidente Jair Bolsonaro. Com isso, apoiadores do governo convocaram nas redes sociais um boicote à rede de restaurantes, segundo a Agência Estado. O vídeo de 30 segundos, publicado no perfil da rede de fast food, diz que a rede de restaurantes está recrutando pessoas para seu novo comercial e que, para fazer parte, basta ter “participado de um comercial de banco que tenha sido vetado e censurado nas últimas semanas”.

Banco ABC

O Banco ABC Brasil registrou um lucro líquido recorrente de R$ 121,2 milhões no primeiro trimestre deste ano, cifra 11,6% superior na comparação com o mesmo período do ano passado, mas 0,2% inferior ao quarto trimestre do ano passado. Segundo a instituição financeira, o Retorno Anualizado Sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) recorrente foi de 13,0% ao ano no trimestre, redução de 0,3 ponto porcentual em relação ao trimestre anterior e estável em relação ao mesmo período de 2018.

A Carteira de Crédito Expandida encerrou março de 2019 com saldo de R$ 26,5 bilhões, alta de 1,0% na comparação com o quarto trimestre do ano passado e alta 6,6% frente um ano atrás. No segmento Corporate, houve expansão de 3,7% no trimestre e de 23,6% em 12 meses, e no segmento Large Corporate, a carteira apresentou crescimento de 0,3% no trimestre e de 2,9% em 12 meses.

Invista nas ações das melhores empresas da bolsa com corretagem zero. Abra uma conta gratuita na Clear

 

Contato