Em negocios / grandes-empresas

Mercado Livre levanta US$ 1,85 bilhão; PayPal será investidor estratégico

Para analistas, a novidade traz uma "pressão clara" para a PagSeguro  

Mercado Livre
(Divulgação/Mercado Livre)

SÃO PAULO – O Mercado Livre, que tem ações listadas em Nasdaq, acaba de anunciar a intenção de oferecer US$ 1 bilhão em ações ordinárias em uma oferta pública. O valor pode chegar a US$ 1,15 bilhões, jpa que a empresa também pretende oferecer a opção de compra, pelo prazo de 30 dias, de até US$ 150 milhões em ações ordinárias adicionais.

A oferta será estruturada pelos bancos Goldman Sachs, J.P. Morgan e Morgan Stanley.

A empresa também firmou um acordo de investimento estratégico com o PayPal, onde a empresa de pagamentos se compromete a aplicar US$ 750 milhões na latino-americana, investimento condicionado à oferta pública. Em outro contrato, que também depende da emissão, uma afiliada da Dragoneer Investment Group concordou em comprar US$ 100 milhões em ações preferenciais perpétuas conversíveis de Série A da companhia.

Em nota, a empresa informou que os recursos levantados devem ser utilizados para expansão dos negócios, incluindo a plataforma de e-commerce, logística e a frente de meios de pagamento.

“Estamos ansiosos para acelerar em nossa liderança no comércio eletrônico e pagamentos e promover a inclusão financeira na América Latina como resultado de nossa aliança com um líder global no setor, como o PayPal”, disse o CEO do Mercado Livre, Marcos Galperin.

Para o PayPal, o investimento é uma forma de criar força na América Latina. “O comércio digital na América Latina está experimentando um enorme crescimento e o Mercado Livre está bem posicionado para se manter na liderança”, disse Dan Schulman, presidente e CEO da PayPal. “Ficamos impressionados com o ecossistema de comércio digital e pagamentos que Marcos e sua equipe criaram. Vemos ótimas oportunidades de integrar nossos respectivos recursos para criar experiências de pagamento únicas e valiosas para nossos 500 milhões de clientes em toda a região e em todo o mundo”.

Opinião de analistas

Em relatório, analistas do Bradesco BBI afirmaram que a operação deve fornecer fundos sólidos para um despertar no mercado de meios de pagamento, principalmente no Brasil. Dentre os pares no setor, eles acreditam que o mais afetado será o Ame Digital, da B2W.

“Nosso time vê isso como um claro aumento na pressão competitiva em cima da PagSeguro, empresa que já apontou o Mercado Livre como uma fonte potencial de competição”, dizem os analistas. Outras empresas do setor também podem precisar se esforçar para limitar o impacto.

Eles citam, ainda, Magazine Luiza, B2W e Via Varejo como empresas que devem ser pouco afetadas, “dado que o Mercado Livre já tem 31% do mercado [de marketplace]”. Ainda assim, a parte de logística, onde hoje o Mercado Livre está atrás, pode ser equiparada mais cedo que o previsto.

Invista melhor o seu dinheiro. Abra uma conta gratuita na XP. 

 

Contato