Em negocios / grandes-empresas

Mourão diz que governo estuda afastar diretores da Vale

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que executivos podem ser responsabilizados  

General Mourão
(Shutterstock)

SÃO PAULO – O grupo de crise constituído pelo governo para estudar o caso do rompimento de barragem da Vale em Brumadinho (MG) considera afastar a diretoria da mineradora, disse o presidente em exercício Hamilton Mourão nesta segunda-feira (28). 

O vice-presidente eleito disse não saber se o colegiado tem poder de recomendar o afastamento durante as investigações da tragédia. “Eu não tenho a certeza que possa fazer essa recomendação”, afirmou.

Segundo, se houve imperícia, imprudência ou negligência por parte de alguém dentro da empresa, essa pessoa tem que responder criminalmente. “Afinal de contas, quantas vidas foram perdidas nisso aí?”, acrescentou.

Antes, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, havia dito que os executivos da empresa podem ser culpados criminalmente pelo ocorrido.

Mourão também acredita que a punição para a mineradora tem de “doer no bolso”. Até agora, a Vale recebeu multa de R$ 250 milhões do Ibama. Mais da metade do caixa da empresa (R$ 11,8 bilhões) está bloqueado para garantir a possibilidade de ressarcimento de danos e perdas de forma geral, incluindo trabalhistas.

*Com Agência Brasil

 

Contato