Em negocios / grandes-empresas

Alphabet, dona do Google, tem aumento de 21% na receita, mas decepciona mercado

A companhia apresentou números abaixo do esperado pelo mercado que era de US$ 34,04 bilhões  

Google - China
(testing / Shutterstock.com)

SÃO PAULO - A Alphabet, empresa controladora do Google, divulgou na última quinta-feira (25) após o fim do pregão os resultados do terceiro trimestre deste ano.

Mesmo com uma receita de US$ 33,7 bilhões, crescimento de 21% em comparação com o mesmo período do ano passado, a companhia decepcionou o mercado - que esperava US$ 34,04 bilhões como resultado.  

As ações da empresa, no entanto, fecharam o pregão com alta de 4,27% cotadas a US$ 1.095,57. 

A diretora financeira da empresa, Ruth Porat, afirmou que a receita foi afetada pela força do dólar no terceiro trimestre e, por isso, veio abaixo do esperado. 

Como de costume, os negócios de publicidade do Google representaram a maior parte de sua receita (85,8%), atingindo US$ 28,95 bilhões no terceiro trimestre, um aumento de 20% na comparação anual. 

A categoria "outras receitas", que inclui negócios em nuvem e vendas de hardware atingiu US$ 4,64 bilhões, 29% a mais que no ano anterior. Isso é uma aceleração menos intensa do que o aumento de 37% no último trimestre.

Essa fatia é especialmente importante para investidores que buscam avaliar o futuro do Google para produtos que vão além dos anúncios.  

O CEO do Google, Sundar Pichai, disse que o negócio de nuvem trouxe algumas vitórias recentemente, mas não teve uma receita maior do que a anunciada no mesmo período de 2017.

Quer investir seu dinheiro em grandes empresas? Abra uma conta na XP

No geral, a participação de mercado de negócio em nuvem no Google fica em terceiro lugar quando comparada com a as concorrentes Amazon e Microsoft. 

Os resultados deste trimestre chegam em um momento difícil para a empresa. Nesta quinta-feira (25), antes da divulgação do relatório, uma notícia do New York Times revelou que o Google protegeu alguns executivos, incluindo o criador do Android Andy Rubin, de alegações de má conduta por assédio sexual e ofereceu pagamentos significativos para ele e outros deixarem a empresa.

No acumulado do ano, as ações do Google sobem 7,49%. 

 

Contato