Em negocios / grandes-empresas

"Guerra das maquininhas": Cielo quer disseminar "revolução" do terminal multiuso com novo site

Cielo LIO ganhou novo destaque para a empresa em meio ao ambiente de campo de batalha

LIO Cielo
(Paula Zogbi)

SÃO PAULO - A Cielo apresentou nesta sexta-feira (15) um portal de conteúdo para impulsionar a adoção da maquininha LIO pelo mercado. O terminal, "relançado" pela empresa no início do mês, une diversos serviços de gestão e pagamento em sua plataforma, alimentada por sistema operacional próprio da empresa. 

No hotsite lio.cielo.com.br, projeto desenvolvido em parceria com a New Content, os usuários encontram mais de 40 conteúdos em vídeo, tutoriais e infográficos com o objetivo de apresentar o produto e mostrar experiências, segundo a empresa, reais de clientes que se integraram à solução. Com a estratégia, a Cielo quer consolidar a nova categoria criada com o lançamento da Cielo LIO e disseminar a cultura de uso da novidade.

"Sentimos necessidade de fazer esse hub porque a Cielo LIO é diferente de tudo aquilo a que o mercado está acostumado. O varejista conhece as máquinas tradicionais de pagamento e a Cielo LIO muda essa dinâmica. Começa pelo pagamento, mas avança por um território completamente novo que é ajudar o cliente a gerenciar seu negócio", explica a diretora de marketing da Cielo, Duda Bastos. 

O que é a LIO?

Lançada oficialmente em 2016, a LIO não é mais uma maquininha nova, mas ainda é consideravelmente desconhecida. Ela é diferente dos terminais tradicionais porque traz uma plataforma interna, alimentada por sistema operacional próprio CieloOS - baseado em Android. Segundo a própria fabricante, é uma espécie de smartphone para o varejo, já que permite a criação de uma infinidade de aplicativos para melhorar a experiência. 

Com tela touchscreen e conexão wifi e 3G, a LIO oferece, além do leitor de meios de pagamento, funcionalidades como calculadora embutida, sistema de gestão de estoque, leitor integrado de código de barras, acesso ao chat de atendimento diretamente pela máquina e outros serviços criados por desenvolvedores parceiros. Todos os apps acessíveis pela LIO também o são via dispositivos Android. 

Essas funcionalidades "smart" são a grande aposta da Cielo para viabilizar o alastramento de uma máquina que, em si, é relativamente mais cara que os modelos tradicionais ("burros"). No plano comum "do seu jeito", o cliente Cielo paga R$ 20 a mais na mensalidade para ter a LIO - que também oferece as opções de planos dos outros produtos Cielo ("controle" e "Cielo livre"). 

Segundo os porta-vozes da empresa, a conveniência compensa. em evento para a imprensa, Danilo Caffaro, Vice-Presidente de Negócios, Produtos, Marketing e Inovação da empresa, disse que há relatos de clientes que conseguem economizar em logística e encontraram na LIO uma forma de efetivamente aumentar as vendas - grande foco da comunicação da maquininha. 

Esta também é a opinião de Duda Bastos. Como funciona como substituto de diversos objetos - como um tablet, um leitor de preços e, em última instância, até um computador para ler planilhas (já que faz o inventário em seu próprio sistema), a LIO realmente pode representar economia para determinadas empresas e, assim, "se pagar".

Por isso, o foco do comercial, que será lançado na segunda-feira que vem (11) é o funcionamento do produto - e não suas taxas. "É para ser um produto de escala, e não de nicho. A adoção deve crescer com essa comunicação, mas o foco não é que ela cresça rápido: o quando não é o importante para nós", diz Danilo.

Segundo ele, o período de dois anos em que o terminal foi testado por uma base um pouco menor de clientes (50 mil) mostrou que o mercado já está realmente preparado para a consolidação da LIO. Esses clientes foram usados para a pesquisa que definiu os pontos principais abordados nos vídeos e site da campanha.

Em termos de estilo, a empresa escolheu tratar a maquininha como uma revolução. Para isso, utilizou a música Revolution, dos Beatles, e comparou as soluções integradas do aparelho com as ferramentas utilizadas normalmente pelo varejo. "A LIO está para o varejo assim como o smartphone para as nossas vidas", compara Paulo Sanna COO da Wunderman - agência responsável pela campanha. 

Quer investir melhor o seu dinheiro? Abra uma conta na XP.

Contato