Em negocios / grandes-empresas

Atendente da Vivo xinga criança de 7 anos em ligação para oferta de serviços

A mãe do garoto conta que vem recebendo repetidas ligações da empresa, da qual não é cliente, com a oferta de serviços

Operadora de telefone
(Shutterstock.com)

SÃO PAULO - Uma postagem publicada na noite de quinta-feira (5) no Facebook denuncia que um atendente do telemarketing da Vivo, da Telefônica Brasil, usou palavras de baixo calão ao ser atendido por uma criança de 7 anos.

A mãe do garoto conta que vem recebendo repetidas ligações da empresa, da qual não é cliente, com a oferta de serviços. "Eu já reclamei de ligações aos sábados, domingos e feriados e então passaram a me ligar apenas durante a semana. Eu já avisei que não possuo o serviço, que não tenho interesse e nem mesmo condição financeira, mas a Vivo insiste. Eu reclamo e batem o telefone na minha cara. Mas no dia seguinte estão ligando de novo", conta.

Ela explica, no post da rede social, que seu filho atendeu o telefone na noite de quinta-feira e "depois de tantas vezes me ouvir dizer que 'não, não tenho teve a cabo e nem quero adquirir', se adiantou e questionou ao atendente se eles queriam saber de tevê a cabo".

Em resposta, o atendente do call center proferiu diversos palavrões impublicáveis. O garoto "ficou pasmo, branco", segundo a mãe. "Eu fiquei sem chão", conta ela. A mãe informa ter postado uma reclamação da página do Facebook da Vivo e, em resposta por mensagem privada, foi orientada a fazer seu cadastro no Procon para o bloqueio de ligações. 

A mãe do garoto contou ao Infomoney que tentou fazer uma reclamação no Procon-SP, mas a queixa foi negada com a alegação de que não se trata de uma relação de consumo

Contatada pelo InfoMoney, a Vivo informou que "está fazendo uma apuração mais detalhada sobre o caso citado pela reportagem' e que "tomou providências para o número de telefone em questão não receba mais ligações do call-center da Vivo".

"A operadora reafirma o compromisso com seus clientes e reforça que cumpre estritamente as normas legais do direito do consumidor e demais regulamentos da Anatel quanto à prestação regular de seus serviços de telefonia", acrescenta a nota.

 

Contato