Mais demissões

Boeing cortará mais 7.000 vagas em ‘nova realidade’ do mercado

A empresa tinha 160.000 funcionários no início do ano, antes que a pandemia de coronavírus interrompesse as viagens aéreas e a venda de aviões

Avião Boeing 737 Max, da Boeing
(Divulgação)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — A Boeing está aprofundando os cortes de empregos já que a pandemia global e o prolongamento da retenção do jato 737 Max espremem as finanças da fabricante de aviões.

Mais 7.000 empregos devem ser eliminados até o final do próximo ano, trazendo a redução total da força de trabalho feita por meio de aposentadorias e demissões para 30.000 pessoas, disse a Boeing em e-mail na quarta-feira após divulgação do balanço. A empresa tinha 160.000 funcionários no início do ano, antes que a pandemia de coronavírus interrompesse as viagens aéreas e as vendas de aviões.

“Estamos nos alinhando a esta nova realidade gerenciando de perto nossa liquidez e transformando nossa empresa para ser mais resiliente e sustentável no longo prazo”, disse o CEO Dave Calhoun em comunicado.

Aprenda a investir na bolsa

Antes uma prodigiosa geradora de caixa, a Boeing agora monitora cuidadosamente sua liquidez e dívidas crescentes enquanto navega por uma queda sem precedentes nas viagens aéreas e trabalha com os reguladores para retirar o Max do solo. A Boeing queimou cerca de US$ 22 bilhões em caixa livre desde março de 2019, quando os reguladores interromperam as operações com seu jato mais vendido após dois acidentes fatais.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.