Após faturar US$ 33 mi, provedora alemã de conectividade IoT chega ao Brasil

Já em atividade nos Estados Unidos, Emnify escolheu o Brasil para começar sua expansão pela América Latina

Wesley Santana

Publicidade

A provedora de rede móvel para internet das coisas Emnify anunciou, nesta segunda-feira (17), sua entrada no mercado brasileiro. Com acesso a 400 redes de celulares ao redor do mundo, a empresa alemã escolheu o país para começar a estratégia de expansão para outros mercados da América Latina.

O foco da companhia é fornecer conectividade para dispositivos que fazem parte do ecossistema de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), sobretudo no agronegócio. Os chips M2M funcionam do mesmo modo que os tradicionais para smartphones, mas conseguem transmitir dados em uma velocidade maior e de forma segregada, embora use a infraestrutura das grandes operadoras para funcionar.

Além disso, o chip M2M é fabricado com materiais diferentes, pois tem de ser capaz de aguentar condições climáticas extremas e produtos abrasivos. 

Continua depois da publicidade

No Brasil, a operação da Emnify será comandada por Carlos Campos, que tem longa carreira no setor de tecnologia e telecomunicações. Em entrevista exclusiva ao InfoMoney, o executivo lembra que a provedora faturou 30 milhões de euros no ano passado e que vir ao Brasil está na estratégia de expansão para mercados além da União Europeia.

“Dizer que é uma empresa global sem estar no Brasil, que é um dos maiores mercados da América, não faz sentido. Já tínhamos forte demanda tanto de marcas de fora que queriam vir para o país quanto de clientes brasileiros interessados na nossa tecnologia”, diz. 

“Essa decisão faz parte de um plano de aceleração da Emnify no mundo todo. Recebemos um investimento de US$ 57 milhões, que impulsionou a chegada ao Brasil, aos Estados Unidos -que já acontece desde o ano passado- e em outros mercados-chave”, complementa o diretor-geral. 

Seguindo este objetivo de crescer em escala global, neste mês, a matriz europeia anunciou a contratação de Christopher Ruettgers como diretor de inovação. O executivo atua há muitos anos no setor de telecomunicações, tendo sido, até o mês passado, diretor de produtos da Deutsche Telekom, uma das principais operadoras de telefonia da Europa. 

“A adição de Chris à nossa equipe sinaliza um grande passo à frente. Ele demonstrou excelência em suas funções de liderança anteriores no setor de IoT. Estamos confiantes de que sua visão estratégica vai impulsionar nossos esforços de crescimento e inovação”, disse Frank Stoecker, CEO da Emnify.

Por aqui, as vendas de serviços devem começar ainda neste trimestre, mas o sinal da rede de dados já está funcionando em todo o território nacional. A companhia fechou contrato com as principais operadoras do país, em um modelo de parceria, o que, segundo Campos, é o mais adequado para operar em IoT.

“Para ser uma empresa focada em IoT, a Emnify precisa de parcerias com as operadoras locais, que também tem interesse em se desenvolver neste segmento. Como elas tem suas operações muito focadas no uso pessoal, nos celulares, o segmento de IoT, que tem demanda muito específicas, fica desatendido. Então, nós utilizamos as redes dessas operadoras para oferecer um serviço de nicho”, comenta.

Escolhido como diretor-geral da Emnify no Brasil, Carlos Campos já atuou em companhias como Unisys, Xerox, e Lumen Technologies. Foto: Divulgação

IoT em alta no mundo

Junto da inteligência artificial, tecnologias imersivas e blockchain, a internet das coisas forma o que deve ser a rede do futuro, com os equipamentos se interconectando. Esta é uma das tecnologias previstas para moldar os negócios nos próximos anos, em razão da sua independência de funcionamento, ou seja, sem a necessidade de um ser humano controlando.

De acordo com um estudo da Deloitte, o ecossistema de IoT cresceu de US$ 726 bilhões para US$ 1,1 trilhão nos últimos quatro anos, motivado, entre outros pontos, pelos investimentos na Indústria 4.0. Neste sentido, empresas que oferecem conectividade para esta etapa da cadeia têm tido sucesso, especialmente quando disponibilizam redes mais modernas e avançadas, caso do 4G e do 5G. 

O 5G se destaca entre os padrões de internet por oferecer suporte para maiores volumes de dados, ter taxas de transferência mais rápidas e menor latência. No final de 2021, o governo federal conduziu uma série de leilões para esta frequência, que movimentaram mais de R$ 46 bilhões.

“A Emnify está pronta para o 5G, e o leilão desta frequência de rede fez parte do interesse de vir para cá”, afirma Carlos. “Nós vamos usar a infraestrutura já disponível no país e estamos observando aplicações que estão surgindo já nativas no 5G, como na área de saúde, que precisam de transmissões instantâneas”.