Ações em queda

Ações do Bradesco recuam após banco lucrar R$ 2,89 bilhões no 4º trimestre

Dando início à temporada de resultados corporativos brasileiros, banco teve lucro dentro do esperado; ações chegaram a cair 1,7% durante a manhã

SÃO PAULO – As ações do Bradesco (BBDC3BBDC4) apresentam queda nesta segunda-feira (28), após o banco dar início à temporada de resultados corporativos brasileiros nesta manhã. Às 11h08 (horário de Brasília), os papéis preferenciais, que fazem da composição do Ibovespa, recuavam 0,98%, cotados a R$ 37,38 – na mínima do dia, eles chegaram a cair 1,73%. Já os ativos ordinários apresentavam queda de 0,83%, sendo negociados a R$ 36,05.

O desempenho das ações do Bradesco vai em linha com o das outras grandes instituições listadas na Bovespa. É o caso do Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 35,35, -1,09%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 25,13, -1,06%). Já o Ibovespa, principal “termômetro” do mercado brasileiro, mostrava leve alta de 0,13% no mesmo horário.

O resultado
O Bradesco fechou o 4º trimestre de 2012 com 
lucro líquido de R$ 2,893 bilhões, alta de 6,1% sobre igual período do ano anterior. Em bases recorrentes, o lucro ajustado do segundo maior banco privado do país foi de R$ 2,918 bilhões, 5,3% maior na relação anual e praticamente em linha com os R$ 2,95 bilhões apontados pela média das projeções compiladas pela Reuters.

No ano passado, a carteira de crédito da instituição cresceu 11,5%, para R$ 385,529 bilhões, com destaque para os empréstimos para empresas, que avançaram 13,1%. Os financiamentos para pessoas físicas tiveram crescimento de 8,2%. A expansão ficou abaixo da previsão do próprio banco, que já tinha sido reduzida ao longo do ano para alta entre 14% e 18% em 2012, refletindo a combinação de baixa atividade econômica do Brasil e elevação dos calotes, o que levou os bancos do país a serem mais prudentes na concessão de crédito.

Já as despesas do Bradesco com provisões para perdas com crédito de baixa qualidade, no entanto, caíram 2,8% sobre o trimestre imediatamente anterior, para R$ 3,21 bilhões, embora tenham crescido 20,6% ano a ano.

Correção já era esperada
Em relatório, a equipe de análise da Planner Corretora afirma que já esperava um movimento de queda das ações do Bradesco nesta sessão. “Com base nos resultados ora apresentados, e levando em conta também a forte performance dos papéis do banco em janeiro, acreditamos numa possível realização de lucros nesta sessão”, afirmaram os analistas. Mesmo com essa queda, os papéis BBDC4 ainda acumulam ganhos de mais de 6,5% nesse primeiro mês de 2013.

Dessa forma, a Planner reforça a recomendação de compra para as ações preferenciais do banco, com preço justo de R$ 41,20 por ação – o que garante um potencial de valorização teórico de 9,14% em relação ao último fechamento da ação.

Guidance e novos dividendos
Para 2013, o Bradesco previu que sua carteira de crédito total crescerá de 13% a 17%, faixa válida tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. A expectativa da instituição é de que sua margem financeira evolua de 7% a 11% neste ano e que as receitas com prestação de serviços avancem de 9% a 13%.

Por fim, o a diretoria banco propôs nesta segunda-feira o pagamento de dividendos aos acionistas no valor de R$ 266,483 milhões, correspondendo a R$ 0,0666486 por ação ordinária e R$ 0,0773134 por preferencial. Somando esses dividendos aos valores já distribuídos aos acionistas em 2012, o Bradesco remunerou seus investidores em R$ 3,895 bilhões.

PUBLICIDADE

Contudo, essa proposta da diretoria ainda será submetida à deliberação do conselho de administração do Bradesco em reunião a ser realizada em 5 de fevereiro. Caso seja aprovado, serão beneficiados os acionistas que estiverem inscritos nos registros da companhia em 5 de fevereiro, passando as ações a ser negociadas na forma “ex-dividendos” a partir de 6 de fevereiro. O pagamento do provento será realizado no dia 7 de março.