Elétricas

Ações da AES Tietê caem forte com volume mais de 10 vezes acima da média

Investidor estrangeiro vende ações da companhia, mas ainda não há informações sobre quem é o vendedor

Usina Hidrelétrica de Tucuruí *** Local Caption *** Comportas abertas da usina de Tucuruí

SÃO PAULO – Em um dia negativo para o setor elétrico, as ações da AES Tietê (GETI4) chamam a atenção do mercado na manhã desta segunda-feira (28) pela forte queda de suas ações, enquanto o volume negociado já supera em 10 vezes a média dos últimos 21 dias.

Segundo cotação por volta das 11h00 (horário de Brasília), a ação registrava queda de 5,44%, com um volume de R$ 203,5 milhões.

Beatriz Nantes, analista da Empiricus Research, diz que um fundo estrangeiro está vendendo ações da companhia, embora ainda não haja informações de quem seja o vendedor. De fato, as maiores vendas dos papéis vêm de clientes do Goldman Sachs.

Eletrobras abre em forte queda, mas ameniza perdas
As ações da Eletrobras (ELET3, ELET6) também têm mais um dia ruim na bolsa. Depois de uma trajetória de forte recuperação desde o começo do ano, as ações da elétrica caíram na quarta-feira (24), após Dilma Rousseff prometer um corte ainda maior na tarifa de energia, e voltam a lideram as perdas do Ibovespa nesta manhã.

Os ativos ELET3 se desvalorizam em 1,1%, aos R$ 7,17, e os ELET6, 2,29%, aos R$ 12,36. Na mínima do dia, os papéis chegaram a cair 3,72% e 5,22%, respectivamente.

Além do discurso de Dilma, que anunciou um corte de 18% na conta de luz residencial e de até 32% nas indústrias, a estatal é impactada por uma série de outros fatos, elevando as incertezas com relação ao grupo.

Na noite de quinta-feira foi noticiado no O Globo que o governo estaria estudando dividir a Eletrobras em três holdings, abrigando as três principais áreas do setor energético: geração, distribuição e transmissão de energia.

A Eletrobras admite que recebeu um pedido para racionalizar os custos do Sistema Eletrobras e aproveitar melhor as sinergias, mas nega a divisão na empresa. Mesmo assim, os ADRs (American Depositary Receipts) lideraram as perdas de sexta-feira, quando a BM&FBovespa esteve fechada, com quedas de 3,06%.

Cenário da Eletrobras é “bastante incerto”
“Cenário segue bastante incerto para o grupo Eletrobras, que precisa urgentemente adotar duras medidas de redução de custos e otimização de processos como forma de mitigar os duros impactos de receita que serão percebidos daqui para frente”, alerta a equipe da XP Investimentos, em relatório.

PUBLICIDADE

Eles explicam que algumas possíveis medidas para racionalizar os custos envolvem a venda de ativos, demissões e redução de patrocínio.

Ainda durante o feriado, a Eletrobras concordou em receber parte dos R$ 14 bilhões de indenizações pela antecipação das renovações das concessões em parcelas, mas a equipe da XP considera a notícia como neutra.