Ucrânia apresenta evidências de que Rússia teria disparado míssil fabricado pela Coreia do Norte

A Coreia do Norte sofre um embargo a armas desde que testou uma bomba atômica pela primeira vez, em 2006

Reuters

Partes de míssil não identificado em Kharkiv, que autoridades ucranianas acreditam ser fabricado na Coreia do Norte 06/01/2024 REUTERS/Vyacheslav Madiyevskyy

Publicidade

KHARKIV, Ucrânia (Reuters) – A promotoria pública da região de Kharkiv apresentou neste sábado mais evidências de que a Rússia atacou a Ucrânia com mísseis fornecidos pela Coreia do Norte, mostrando os fragmentos do artefato.

Um importante conselheiro do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, afirmou na sexta-feira que a Rússia atingiu solo ucraniano nesta semana com mísseis da Coreia do Norte pela primeira vez durante a invasão.

Dmytro Chubenko, porta-voz da procuradoria, disse que o míssil, um de vários que atingiram a cidade de Kharkiv no dia 2 de janeiro, era visual e tecnicamente diferente dos modelos russos.

Continua depois da publicidade

“O método de produção não é muito moderno. Há desvios do padrão dos mísseis Iskander, que vimos previamente durante ataques contra Kharkiv. Este míssil é similar a um dos mísseis norte-coreanos”, disse a jornalistas, enquanto mostrava destroços do artefato.

Segundo ele o míssil também era um pouco maior, em diâmetro, do que os Iskander russos. Os bocais, a parte elétrica interna e a traseira também eram diferentes.

“É por isso que estamos mais para a tendência de que este deve ser um míssil fornecido pela Coreia do Norte”, afirmou.

A Rússia atingiu a cidade com vários mísseis nesta semana, matando duas pessoas e ferindo mais de 60, em um dos maiores ataques aéreos desde o início da guerra, em fevereiro de 2022.

A Coreia do Norte sofre um embargo a armas desde que testou uma bomba atômica pela primeira vez, em 2006. Resoluções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), aprovadas com apoio russo, proíbem que nações comercializem armas e outros equipamentos militares com a Coreia do Norte.