Papa pede esforço global para enfrentar crise da dívida de países pobres

Dívida global atingiu um recorde de US$ 313 trilhões em 2023, com economias em desenvolvimento atingindo um novo pico

Reuters

Papa Francisco 05/06/2024 REUTERS/Yara Nardi

Publicidade

(Reuters) – O mundo precisa fazer mais para reduzir o ônus da dívida enfrentado por países de baixa renda, a fim de evitar que eles entrem em um ciclo de pobreza e desespero, disse o papa Francisco nesta quarta-feira (5).

Os níveis da dívida global atingiram um recorde de US$ 313 trilhões em 2023, com as economias em desenvolvimento atingindo um novo pico na relação entre dívida e Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com um estudo divulgado neste ano.

Ao discursar em uma conferência no Vaticano sobre a emergência da dívida no sul global, o papa Francisco disse que o problema está causando “miséria e angústia” para milhões de pessoas em todo o mundo.

Continua depois da publicidade

“Para tentar quebrar o ciclo de financiamento da dívida, é necessário criar um mecanismo multinacional que leve em conta a natureza global do problema e suas implicações econômicas, financeiras e sociais”, disse.

Em 2020, os países do G20 concordaram com uma “estrutura comum” para facilitar o processo de reestruturação da dívida e ajudar países pobres a se reerguerem, mas o progresso tem sido lento.

A Zâmbia levou quase quatro anos para sair da inadimplência, o que deixou algumas lições difíceis para os países mais ricos sobre o desempenho de seu tão alardeado plano de alívio da dívida.

Continua depois da publicidade

No momento, não existe uma lei internacional abrangente que regule as falências internacionais.

“A ausência desse mecanismo favorece a mentalidade do ‘cada um por si’, em que os mais fracos sempre perdem”, disse o papa.

“Nenhum governo pode exigir moralmente que seu povo sofra privações incompatíveis com a dignidade humana”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

A Igreja Católica deve realizar um Ano Santo, ou Jubileu, em 2025 — um dos momentos mais importantes do calendário católico — e o papa já pediu aos países ricos que marquem o evento oferecendo alívio da dívida aos países pobres.