Líder do partido de oposição na Coreia do Sul é esfaqueado no pescoço

Lee Jae-myung, candidato presidencial derrotado em 2022, visitava as obras de um aeroporto quando foi atacado

Bloomberg

Lee Jae-myung, líder da oposição na Coreia do Sul, durante um debate em Seul (SeongJoon Cho/Bloomberg)

Publicidade

O líder do principal partido de oposição da Coreia do Sul, Lee Jae-myung, foi esfaqueado no pescoço nesta terça-feira (2) por um agressor não identificado, durante uma visita à cidade costeira de Busan, no sul do país, e levado às pressas para um hospital.

Os ferimentos de Lee não parecem ser fatais, disse Kang Taijung, funcionário do escritório de Lee, em mensagem de texto. Lee desmaiou após o ataque e o agressor foi preso no local, informou a Yonhap News.

O político foi transportado de helicóptero para um hospital em Seul para cuidados adicionais depois de receber tratamento inicial em Busan.

Continua depois da publicidade

Um vídeo do incidente parece mostrar Lee caminhando por uma multidão de repórteres quando um homem enfia um objeto no pescoço do líder político. Lee estava visitando a instalação de um novo aeroporto.

O suspeito – um homem de 60 anos – abordou Lee, pedindo um autógrafo, e então o esfaqueou com uma faca de lâmina de 13 centímetros, disse um policial em entrevista coletiva. As autoridades formaram uma equipe especial com 68 funcionários para investigar o motivo do ataque.

O suspeito disse à polícia que tinha a intenção de matar Lee, informou Yonhap, acrescentando que ele poderia enfrentar uma acusação de tentativa de homicídio.

Como líder do Partido Democrata, de tendência esquerdista, Lee perdeu para o conservador Yoon Suk Yeol em uma disputa presidencial acirrada em 2022. Espera-se que Lee concorra novamente à presidência em 2027, e pesquisas recentes indicaram que ele continua sendo um forte candidato.

Ex-operário de fábrica que mais tarde se tornou advogado de direitos civis, Lee está na política há mais de 15 anos como membro do campo progressista, tornando-se em 2018 governador da província de Gyeonggi, perto de Seul.

Lee também enfrentou várias acusações por suposta corrupção, que ele negou.

Ao ser informado sobre o ataque, Suk Yeol enfatizou que não tolera tais atos de violência e instruiu as autoridades a investigarem rapidamente o caso, de acordo com um comunicado do gabinete presidencial.

Eleições parlamentares

O ataque ocorre no momento em que a Coreia do Sul realiza eleições em abril que determinarão se o campo de Lee pode manter a maioria no parlamento ou perder o poder para o conservador Partido do Poder Popular de Yoon.

Houve outros casos de violência política de grande repercussão nos últimos anos na Coreia do Sul. Em 2022, o antecessor de Lee, Song Young-gil, foi atacado por um homem com um martelo durante um evento de campanha e foi tratado após um corte no crânio.

Em 2006, a ex-presidente Park Geun-hye, então líder do principal partido da oposição, sofreu um corte de 11 centímetros no rosto quando um homem a atacou durante uma aparição de campanha. Park é filha do ex-presidente assassinado Park Chung Hee.

© 2024 Bloomberg L.P.

Tópicos relacionados