Japão corre contra o tempo para buscar sobreviventes de terremoto

"Devemos continuar a colocar todos os nossos esforços no resgate de pessoas, mesmo depois de 72 horas após o desastre", disse o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, em uma coletiva de imprensa

Reuters

Escombros deixados por terremoto em Wajuma, no Japão (04/01/2024 REUTERS/Kim Kyung-Hoon)

Publicidade

WAJIMA, Japão (Reuters) – Milhares de socorristas prosseguiram na busca por sobreviventes do terremoto do dia de Ano Novo que matou pelo menos 84 pessoas no Japão, na esperança de salvar o maior número possível de pessoas, apesar da janela de sobrevivência de três dias que terminou na tarde desta quinta-feira (horário local).

“Devemos continuar a colocar todos os nossos esforços no resgate de pessoas, mesmo depois de 72 horas após o desastre”, disse o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, em uma coletiva de imprensa.
As taxas de sobrevivência caem 72 horas após um terremoto, de acordo com as equipes de emergência.
Até o momento, 156 pessoas foram resgatadas, mas pelo menos outras 79 continuam desaparecidas, de acordo com as autoridades.

A extensão dos danos causados pelo terremoto e pelo tsunami que ele desencadeou ainda não está clara, com as equipes de resgate tendo dificuldades para chegar às áreas mais ao norte — onde se encontra a maior parte das vítimas fatais — devido às estradas interrompidas.

Continua depois da publicidade

Três dias após o desastre, 30 vilarejos continuam inacessíveis, de acordo com as autoridades da prefeitura de Ishikawa.

A ajuda material tem chegado, mas muitas pessoas retiradas continuam sem acesso a alimentos, água, eletricidade e comunicações em meio às temperaturas congelantes e ao mau tempo, segundo as autoridades.

As 3.000 refeições e 5.000 garrafas de água que foram entregues até quarta-feira não são suficientes para as 11.000 retiradas na cidade de Wajima, disse o prefeito, Shigeru Sakaguchi, em uma reunião regional de resposta a desastres.

“Em primeiro lugar, é a estrada — estradas interrompidas estão dificultando não apenas o fornecimento de ajuda, mas também a recuperação de eletricidade, água, sinais de celular e outras infraestruturas vitais”, disse ele.

Havia quase 100 pontos de estrangulamento e bloqueios nas estradas da província até a quinta-feira, de acordo com as autoridades de Ishikawa.

“Em comparação com outros desastres, a situação das estradas em Wajima é muito ruim. Sinto que está demorando mais do que o normal para que a assistência chegue”, disse à Reuters Shunsaku Kohriki, um médico que já prestou assistência a outros desastres na cidade.

“Acho que, realisticamente falando, as pessoas retiradas terão que viver em condições realmente difíceis por um tempo ainda”, disse ele.

SEM ÁGUA CORRENTE

Também faltavam itens básicos, como acesso à Internet, suprimentos médicos e banheiros limpos.
“Não temos água encanada. Não podemos lavar as mãos depois de ir ao banheiro”, disse Kyoko Kinoshita, 62 anos, enquanto fazia fila com algumas centenas de outros sobreviventes para pedir comida em Wajima.

“Um dos bebês no centro de retirada tem três semanas de vida e parece que não há água nem leite suficientes para o bebê”, acrescentou.

O governo prometeu que fornecerá suprimentos de forma proativa em vez de esperar por solicitações oficiais das autoridades locais. O governo também quintuplicou o número de membros da Força de Autodefesa encarregados das operações de resgate desde segunda-feira, colocando o número total de socorristas em cerca de 7.000.

Parte da ajuda foi entregue por via marítima em vez de terrestre, com barcos da guarda costeira chegando aos portos de Wajima e Suzu na quarta-feira.

No entanto, navios maiores não puderam atracar em algumas baías da península de Noto porque o leito do mar se deformou devido ao terremoto, disse o governador de Ishikawa, Hiroshi Hase, na quinta-feira.

IMPACTO NOS NEGÓCIOS

Os sobreviventes podem ter escapado da morte, mas enfrentam um longo caminho para a recuperação em uma área que esperava receber mais turistas após a pandemia de Covid-19.

Como as empresas japonesas voltaram do feriado de Ano Novo na quinta-feira, os fabricantes também avaliaram o impacto do terremoto em suas linhas de produção.

Os fabricantes de monitores Japan Display e EIZO, bem como a empresa de semicondutores Kokusai Electric, disseram que estavam consertando as fábricas danificadas.

A Bolsa de Valores de Tóquio observou um minuto de silêncio em vez de tocar o sino para marcar a abertura das operações, em respeito aos que morreram no terremoto e em um acidente separado no aeroporto Haneda de Tóquio, onde cinco membros da Guarda Costeira morreram quando se preparavam para entregar ajuda.

Kishida prometeu, nesta quinta-feira, utilizar cerca de 4 bilhões de ienes (28 milhões de dólares) do orçamento nacional para o alívio de desastres.

Tópicos relacionados