Fábrica da Tesla no México entra no radar dos EUA em meio à guerra comercial com a China

Empresas chinesas de autopeças estão rapidamente montando fábricas para suprir a próxima planta industrial da Tesla

Bloomberg

Publicidade

Bloomberg — Nas proximidades de Monterrey, no estado de Nuevo León, no México, empresas chinesas de autopeças estão rapidamente montando fábricas para suprir a próxima planta industrial da Tesla (TSLA).

Elas se juntam às fileiras de fabricantes chineses que abriram instalações no México em resposta às tarifas da era Donald Trump – e esse novo aumento da atividade no país vizinho alarmou Washington. O CEO da Tesla, Elon Musk, convidou fornecedores chineses para o México para replicar a cadeia de suprimentos local na fábrica de Xangai da Tesla, segundo pessoas com conhecimento da situação.

A empresa planeja construir um veículo elétrico de próxima geração mais barato em uma enorme instalação no estado de Nuevo León, com a ajuda de US$ 153 milhões em incentivos do governo local. A Tesla não respondeu a um pedido de comentário da Bloomberg News.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Sua fábrica em Austin não é a única nos Estados Unidos a comprar peças fabricadas no México de empresas chinesas, à medida que as exportações continuam a aumentar.

O valor das autopeças chinesas fabricadas no México e exportadas para os EUA alcançou US$ 1,1 bilhão em 2023, um aumento de 15% em relação ao ano anterior, de acordo com dados preliminares não divulgados da INA, a associação nacional da indústria de autopeças do México. No ano passado, havia 33 fabricantes chineses de autopeças registrados no México, 18 dos quais exportaram para os EUA, segundo a associação.

Apesar das preocupações dos funcionários do governo dos EUA, há sentido econômico para que a Tesla e outras fabricantes de automóveis queiram aproveitar a “cadeia de suprimentos altamente organizada e altamente eficiente” da China, disse Venkatesh Prasad, diretor de inovação do Centro de Pesquisa Automotiva.

Continua depois da publicidade

“Nenhum fabricante em qualquer lugar do mundo vai perder a oportunidade de incluir isso como parte de sua proposta de valor à medida que tentam gerenciar margens”, disse Prasad.

Entre as empresas chinesas recém-chegadas ao México estão Ningbo Tuopu Group, Shanghai Bayon Precision Automobile Component, Suzhou Dongshan Precision Manufacturing, Zhejiang Yinlun Machinery e o Grupo Chinaust, uma joint venture entre Lingyun Industrial Corp. e Georg Fischer.

Essas empresas fabricam sistemas de aquecimento e refrigeração, produtos de absorção de choque, componentes metálicos e outras peças. A guerra comercial iniciada pelo então presidente Donald Trump em 2018 ajudou a impulsionar o investimento chinês em países terceiros como o México. Até 2023, as empresas industriais chinesas estavam usando cerca de 865.000 metros quadrados de espaço em parques industriais mexicanos, em comparação com 119.000 metros quadrados em 2019, de acordo com dados de mercado da empresa de desenvolvimento Finsa.

A presença aumentada da China na fabricação do México ocorre à medida que suas exportações diretas para os EUA caíram para o nível mais baixo desde 2010. Veículos elétricos montados no México também podem se qualificar para um crédito tributário dos consumidores dos EUA de até US$ 7.500, sob a Lei de Redução da Inflação de 2022, a lei climática de marca registrada do presidente Joe Biden.

Para isso, eles devem aderir a limites rigorosos na quantidade de materiais para baterias provenientes de “entidades estrangeiras de preocupação”, ou empresas com vínculos com países rivais, como a China. Empresas chinesas que estão “com muita pressa de se estabelecerem para se tornarem fornecedoras” de fabricantes de automóveis ocidentais estão abrindo empresas abrigadas de acordo com as diretrizes de negócios mexicanas, disse David Barrera, diretor de desenvolvimento de negócios em Nuevo León para o Banco Base.

Montadoras e alguns fornecedores globais não se manifestaram sobre a tendência por medo de prejudicar seus próprios interesses na China. Mas o grupo comercial dos fabricantes de autopeças do Canadá e o poderoso sindicato United Auto Workers (UAW) dos EUA alertaram para o aumento “alarmante” dos investimentos mexicanos da China para evitar a aplicação de políticas comerciais de Washington. Automóveis de passageiros exportados do México, o maior parceiro comercial dos EUA, estão isentos de tarifas se cumprirem as regras comerciais do Acordo Estados Unidos-México-Canadá (USMCA).

Grande temor dos EUA

Advogados tributários dos EUA até identificaram um caminho pelo qual uma subsidiária chinesa com sede no México poderia construir carros elétricos completos que se qualificariam para o crédito tributário dos EUA de US$ 7.500, desde que nenhum mineral ou componente para baterias fosse proveniente da China.

Isso é um grande temor tanto para os fabricantes de veículos elétricos dos EUA quanto para os funcionários do governo americano. A BYD, da China, recentemente ultrapassou a Tesla como a maior fabricante de carros elétricos do mundo, em grande parte graças à sua linha de modelos baratos. Em novembro passado, membros do comitê seleto da Câmara sobre o Partido Comunista Chinês escreveram à representante de Comércio dos EUA, embaixadora Katherine Tai, pedindo uma ação contra fabricantes chineses que “estão se preparando para inundar os mercados dos Estados Unidos e globais com automóveis, especialmente veículos elétricos” apoiados por “subsídios massivos”.

Em resposta, Tai escreveu que a administração de Joe Biden está “vigilante” em relação aos planos chineses e estava examinando maneiras de tornar as tarifas da era Trump “mais estratégicas”. A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, viajou para o México em dezembro para negociar um acordo sobre o fortalecimento da triagem de investimentos estrangeiros do México. A BYD, a Chery Automobile e a marca MG da SAIC Motor também estão procurando abrir fábricas no México.

Esses fabricantes poderiam começar a construção em quatro anos, iniciar a produção em seis anos e depois exportar veículos para os EUA, disse Oscar Silva Eguibar, consultor da Roland Berger.

“A única maneira de as empresas chinesas evitarem medidas antidumping e realmente serem capazes de exportar veículos elétricos para os EUA seria estabelecendo capacidade de produção total no México”, disse. A Bloomberg News informou ainda neste mês que a administração Biden considera restringir todas as importações de “carros inteligentes” chineses elétricos, não importa onde sejam montados. Funcionários dos EUA estão preocupados que os vastos dados coletados por esses veículos possam representar ameaças de hacking ou de segurança nacional.

A fabricante de baterias chinesa Contemporary Amperex Technology considera a construção de uma planta no México, e empresas como a BYD expressaram interesse na mineração de lítio no país. A China domina a mineração e o processamento de minerais críticos como o lítio, necessário para as baterias de veículos elétricos, o que aumenta as preocupações dos EUA.

Redefinição do livre comércio

Flavio Volpe, presidente da Associação de Fabricantes de Peças Automotivas do Canadá, alertou que os fornecedores chineses apoiados pelo estado no México poderiam substituir o investimento orientado pelo mercado de empresas norte-americanas. As preocupações dos EUA e do Canadá podem levar a mudanças na próxima revisão do acordo de livre comércio norte-americano USMCA em 2026, disse Kelly Ann Shaw, sócia do escritório de advocacia Hogan Lovells em Washington, especializado em comércio internacional.

“Pode-se imaginar uma situação em que, se houver um problema real de peças chinesas atravessando a fronteira, quem estiver na presidência dirá: ‘Vamos simplesmente exigir mais comprometimento do México para impedir isso'”, disse ela.

Mary Lovely, pesquisadora sênior do Instituto Peterson de Economia Internacional em Washington, acredita que os EUA precisam escolher bem suas medidas protecionistas, pois muitas delas podem sufocar a inovação e tornar os veículos muito caros. “Se não houver envolvimento chinês, como podemos manter a competitividade da indústria?”, disse Lovely. “Se tentarmos produzir tudo com salários dos EUA, acabaremos com um veículo que não pode competir em nenhum sentido.”

© 2024 Bloomberg L.P.