Donald Trump quer controlar Departamento de Justiça e FBI; seus aliados têm um plano

Trump prometeu na campanha reformular o órgão caso vença a eleição presidencial e disse que irá usá-lo para perseguir seus oponentes

Reuters

Ex-presidente Donald Trump (Mark Peterson/Pool via REUTERS)

Publicidade

(Reuters) – Alguns dos aliados de Donald Trump estão reunindo propostas para reduzir a independência do Departamento de Justiça dos Estados Unidos e transformar o órgão em um cão de guarda para causas conservadoras, disseram à Reuters nove pessoas envolvidas no esforço.

Se bem-sucedida, a reforma poderá representar uma das ações mais consequentes de uma segunda Presidência de Trump, dado o papel do Departamento de Justiça na proteção das instituições democráticas e na defesa do Estado de Direito.

Isso também marcaria um afastamento drástico da declaração de missão do departamento, que identifica “independência e imparcialidade” como valores fundamentais.

Continua depois da publicidade

Trump, alvo de dezenas de acusações pelo Departamento de Justiça, prometeu na campanha reformular o órgão caso vença a eleição presidencial em 5 de novembro e prometeu usá-lo para perseguir seus oponentes, incluindo o presidente democrata Joe Biden.

O plano é essencialmente duplo, de acordo com as nove pessoas entrevistadas pela Reuters, algumas das quais pediram anonimato para discutir deliberações internas.

O FBI – que muitos republicanos consideram tendencioso contra eles – teria novas restrições em sua autoridade, com muitas de suas responsabilidades transferidas para outras agências de segurança, disseram essas pessoas.

Continua depois da publicidade

“Trump acha que o DoJ tem problemas institucionais”, afirmou Steve Bannon, um importante aliado de Trump que foi processado pelo Departamento de Justiça e condenado por desacato ao Congresso. “Não se trata apenas de pessoal: é preciso limpar o DoJ, mas também é preciso reformá-lo.”

A reforma do Departamento de Justiça permitiria que o governo Trump adotasse iniciativas políticas conservadoras, como o desmantelamento de programas de contratação destinados a aumentar a diversidade no local de trabalho e o fim da supervisão federal dos departamentos de polícia acusados de práticas racistas.

Em resposta às perguntas da Reuters, a campanha de Trump apontou para um comunicado de dezembro dos cogerentes de campanha Susie Wiles e Chris LaCivita.

Continua depois da publicidade

“A menos que uma mensagem venha diretamente do presidente Trump ou de um membro autorizado de sua equipe de campanha, nenhum aspecto de futuros anúncios de pessoal ou política presidencial deve ser considerado oficial”, disseram eles.

A campanha em si tem poucos funcionários de política em tempo integral. Trump e sua equipe estão em contato frequente com grupos externos, como os que formulam recomendações sobre o Departamento de Justiça.

Com a liderança de Trump na maioria dos estados que provavelmente decidirão a eleição de novembro, os assessores do ex-presidente podem ter a chance de colocar suas ideias em prática.

Continua depois da publicidade

As promessas de Trump de remodelar o Departamento de Justiça foram bem documentadas, mas foi dada menos atenção à identificação das medidas específicas que seus aliados e assessores estão defendendo.

Dois importantes aliados de Trump disseram à Reuters que apoiam a eliminação do conselho geral do FBI, um escritório que enfureceu os republicanos durante o mandato de Trump de 2017 a 2021 por seu papel na aprovação de uma investigação sobre os contatos entre sua campanha de 2016 e autoridades russas.

O porta-voz da campanha de Biden Ammar Mousa disse em um comunicado que Trump e seus aliados “estavam colocando a vingança do próprio Trump à frente do que é melhor para os Estados Unidos”. O FBI não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Continua depois da publicidade

Política fora do padrão

Aliados de Trump argumentam que, como chefe do Poder Executivo, o presidente deve ter amplos poderes para comandar e supervisionar o Departamento de Justiça como bem entender.

A maioria dos democratas e até mesmo alguns republicanos rejeitam esse ponto de vista. Eles dizem que o Departamento de Justiça exige uma quantidade incomum de independência porque é responsável por administrar a justiça de forma não partidária. Às vezes, esse mandato inclui a investigação de aliados políticos próximos de um presidente.

“Sempre há disputas… Isso é política padrão”, disse Kristy Parker, ex-promotora federal que agora trabalha na Protect Democracy, uma organização de defesa jurídica sem fins lucrativos.

“O que não é política padrão é alguém basicamente chegar e dizer que vamos abandonar a ideia de que o Departamento de Justiça deve ter um muro de separação entre ele e a agenda política pessoal do presidente.”

Muitos aliados de Trump que fazem essas propostas são afiliados a um consórcio de institutos conservadores conhecido como “Projeto 2025”, que vem fazendo planos detalhados para uma segunda Presidência de Trump. Em uma declaração à Reuters, o Projeto 2025 disse que não poderia falar em nome da campanha de Trump.

Esses aliados também estão vasculhando as regulamentações federais em busca de novas formas de levar conservadores de peso para o Departamento de Justiça no início de um possível mandato de Trump, de acordo com duas pessoas com conhecimento dessas deliberações.

Atualmente, Trump enfrenta um total de 88 acusações em quatro processos criminais – dois dos quais foram movidos pelo DoJ – sobre esforços para reverter a eleição de 2020, retenção de documentos confidenciais após deixar o cargo e supostos esforços para encobrir um pagamento de suborno a uma estrela pornô.

Trump, de 77 anos, nega ter cometido irregularidades em todos os casos e aponta as acusações como prova de que o Departamento de Justiça é parcial contra ele. O departamento nega isso e diz que conduz todas as suas investigações de forma imparcial.

Controle sobre o FBI

Alguns aliados não chegam a abraçar a retórica de vingança de Trump. Mas concordam que Trump deve ter maior controle sobre o Departamento de Justiça e o FBI.

“Sempre que você tem centros de poder … que têm enormes recursos, poder coercitivo e ferramentas de investigação à sua disposição, e se presume que eles sejam independentes de qualquer controle da cadeia de comando do presidente, essa é uma receita para o abuso de poder”, disse Steve Bradbury, ex-funcionário da Justiça que atuou brevemente como secretário interino de Transportes de Trump.

Em entrevistas à Reuters, Bradbury e Gene Hamilton, um funcionário sênior do Departamento de Justiça no governo Trump, endossaram a medida para eliminar o conselho geral do FBI.

Eles disseram que não falam em nome de Trump, mas ambos estão contribuindo com ideias para o Projeto 2025. Hamilton é um tenente de confiança de Stephen Miller, um dos assessores políticos mais próximos de Trump. Miller não respondeu aos pedidos de comentários.

Bradbury e Hamilton também apoiam a mudança da cadeia de comando do Departamento de Justiça para que o diretor do FBI se reporte a dois assistentes do secretário de Justiça indicados politicamente.

Atualmente, o diretor se reporta ao secretário adjunto, uma autoridade mais graduada que, na prática, é muito ocupada e tem um portfólio muito grande para supervisionar e orientar as investigações do FBI, disse Bradbury.

Bradbury e outros especialistas jurídicos disseram que essa mudança poderia ser feita sem autorização do Congresso. Ele disse que essas medidas são necessárias para garantir que as prioridades de aplicação da agência estejam alinhadas com as preferências políticas da Casa Branca. Os críticos afirmam que essas medidas prejudicarão a independência do Departamento de Justiça e do FBI.