Detalhes de acidente apontam que Ebrahim Raisi teve morte instantânea

Condições iniciais do voo estavam boas, segundo testemunha, mas houve uma rápida formação de nuvens e aparelho que levava o presidente sumiu; apenas uma das vítimas conseguiu atender aos chamados pelo rádio

Roberto de Lira

Destroços do helicóptero do presidente iraniano Ebrahim Raisi, que caiu no noroeste do Irã – 20/05/2024. (Foto: Stringer/WANA, via Reuters)
Destroços do helicóptero do presidente iraniano Ebrahim Raisi, que caiu no noroeste do Irã – 20/05/2024. (Foto: Stringer/WANA, via Reuters)

Publicidade

O helicóptero que transportava o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, e que caiu no domingo, matando tanto o chefe do governo como ministro das Relações Exteriores do país, estava no centro de um comboio de três aeronaves quando despareceu de vista, segundo detalhes do acidente divulgados pelas autoridades nas últimas horas.

Gholamhossein Esmaili, o chefe de gabinete presidencial do Irã, disse em entrevista à TV estatal que as condições climáticas na região de Varzaqan, onde o helicóptero se acidentou, estavam perfeitas no início e durante a maior parte do voo, informa a agência de notícias Irna.

Após 45 minutos de voo, o piloto do helicóptero do presidente Raisi, responsável pelo comboio, ordenou que os outros aparelhos aumentassem a altitude para evitar uma nuvem próxima. No entanto, o próprio helicóptero do presidente, que voava entre os outros dois, desapareceu repentinamente.

Continua depois da publicidade

“Depois de 30 segundos sobrevoando as nuvens, nosso piloto notou que o helicóptero do meio havia desaparecido”, disse Esmaili, que estava em uma das outras aeronaves, acrescentando que o piloto decidiu circular e voltar para procurar o helicóptero do presidente.

A busca foi dificultada porque não foi possível diminuir a altitude por conta das nuvens no local. Após várias tentativas de contato com o helicóptero acidentado por meio de dispositivos de rádio, o helicóptero pousou em uma mina de cobre próxima.

Contato com uma das vítimas

No início, nem o ministro das Relações Exteriores, Amirabdollahian, nem o chefe da unidade de proteção ao presidente responderam às repetidas ligações. Mas o funcionário alegou que os pilotos dos outros dois helicópteros tentaram contatar o capitão Mostafavi, responsável pelo helicóptero do presidente.

Continua depois da publicidade

Quem atendeu a ligação, no entanto, foi o líder de orações, Mohammad Ali Ale-Hashem, que informou helicóptero havia caído em um vale e que ele estava ferido. O próprio Esmaili fez um segundo contato com Ale-Hashem e recebeu as mesmas respostas sobre a situação.

“Quando encontramos o local do acidente, as condições dos corpos indicavam que o aiatolá Raisi e outros companheiros haviam morrido instantaneamente, mas Ale-Hashem havia sido martirizado depois de várias horas”, contou.

O Irã também informou que um veículo aéreo não tripulado turco que ajudou equipes domésticas durante a operação de busca pelo helicóptero não teve sucesso identificar a localização da queda, apesar de relatos sugerirem que foi o drone turco que detectou pela primeira vez os destroços do helicóptero nas montanhosas regiões do noroeste do Irã.