Coreia do Norte faz 200 disparos em fronteira marítima; habitantes de ilhas sul-coreanas se abrigam

Os disparos da Coreia do Norte não causaram danos civis ou militares no Sul, segundo os militares da Coreia do Sul

Reuters

Fronteira Coreia do Sul e Coreia do Norte (Foto: Kim Hong-Ji/Reuters)

Publicidade

SEUL (Reuters) – A Coreia do Norte disparou mais de 200 projéteis de artilharia na sexta-feira perto de uma fronteira marítima disputada com a Coreia do Sul, em mais uma escalada de tensão entre os rivais e levando o Sul a tomar medidas “correspondentes” com exercícios de fogo real.

Os disparos levaram os moradores de duas ilhas sul-coreanas remotas na fronteira marítima ocidental a sair para abrigos antibombas, de acordo com as instruções das Forças Armadas da Coreia do Sul, antes de disparar tiros reais em direção à fronteira disputada da Linha de Limite Norte (NLL).

Os disparos da Coreia do Norte não causaram danos civis ou militares no Sul, segundo os militares da Coreia do Sul.

Continua depois da publicidade

“Esse é um ato de provocação que aumenta a tensão e ameaça a paz na península coreana”, disse o ministro da Defesa da Coreia do Sul, Shin Won-sik, ao supervisionar os exercícios de tiro.

Todos os projéteis de artilharia norte-coreanos aterrissaram no lado norte da fronteira marítima, afirmou o porta-voz militar sul-coreano Lee Sung-joon em uma coletiva de imprensa, acrescentando que os militares sul-coreanos têm monitorado os movimentos do Norte ao longo de sua costa com a cooperação dos militares dos Estados Unidos.

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse que as brigadas de fuzileiros navais baseadas nas ilhas Yeonpyeong e Baengnyeong dispararam no mar ao sul da fronteira NLL, demonstrando uma “resposta operacional esmagadora”. Os exercícios sul-coreanos envolveram artilharia mecanizada e tanques.

A China, que é o principal aliado político da Coreia do Norte, pediu moderação e conclamou os dois lados a retomarem o diálogo.

Yeonpyeong abriga pouco mais de 2.000 residentes e tropas estacionadas no local, cerca de 120 km a oeste de Seul e acessada por balsas que levam mais de duas horas e meia.

Leif-Eric Easley, professor de estudos internacionais da Universidade Ewha, em Seul, disse que não é incomum a Coreia do Norte disparar artilharia na área durante os exercícios de inverno.

“O que é diferente este ano é que … Kim Jong-un negou publicamente a reconciliação e a unificação com o Sul”, declarou ele.

Em comentários a uma importante reunião partidária na semana passada, o líder norte-coreano disse que a unificação com o Sul não era possível e que Pyongyang estava mudando fundamentalmente sua política em relação ao Sul, que agora é visto como um Estado inimigo.

As águas próximas à disputada NLL foram palco de vários confrontos mortais entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, incluindo batalhas envolvendo navios de guerra e o afundamento de uma corveta sul-coreana em 2010 pelo que se acredita ser um torpedo norte-coreano, matando 46 marinheiros.