Candidata a prefeita é morta no México enquanto cresce violência política

Na noite de segunda-feira, Gisela Gaytán havia acabado de apresentar seu plano estratégico de segurança em um comício em Celaya, Guanajuato, quando homens armados abriram fogo, matando-a instantaneamente

Reuters

Técnico forense trabalha em local onde a candidata Gisela Gaytán foi assassinada em Guanajuato, México - 1/4/2024 (Reuters/Juan Moreno)

Publicidade

Cidade do México (Reuters) – Uma candidata a prefeita do partido governista foi morta a tiros na segunda-feira (1) na região central do México durante um evento no primeiro dia de sua campanha, apesar de ter solicitado proteção às autoridades, sem receber resposta.

Em um primeiro momento, um candidato à Câmara dos Vereadores foi tido como morto a tiros no incidente, mas o Ministério da Segurança posteriormente disse que ele estava desaparecido.

Na noite de segunda-feira, Gisela Gaytán havia acabado de apresentar seu plano estratégico de segurança em um comício em Celaya, Guanajuato, quando homens armados abriram fogo, matando-a instantaneamente.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A procuradoria-geral de Guanajuato disse que está investigando o assassinato. Nenhuma prisão foi realizada.

O motivo para que Gaytán se tornasse um alvo não está claro, mas o Estado de Guanajuato registrou alguns dos maiores números de homicídios no México nos últimos anos e foi palco de guerras de grupo criminosos por territórios.

As eleições mexicanas têm sido manchadas por violência política há anos, mas os números sugerem que a situação está piorando. Dezenas de políticos e candidatos foram mortos antes das eleições de meio de mandato, em 2021.

Continua depois da publicidade

Segundo a organização de pesquisa Civic Data, sediada na Cidade do México, houve um aumento de 236% em violência política eleitoral no país entre 2018 e 2023.

Tópicos relacionados