Superendividamento: Justiça lança cartilha para consumidor evitar problema

Guia que faz parte de programa "Conciliar é Legal" traz 10 dicas anti-superendividamento. Veja quais são elas!

SÃO PAULO – Para diminuir o problema do superendividamento que atinge brasileiros, a Justiça de Porto Alegre lançou cartilha para ajudar as pessoas a evitarem a situação, como parte do Dia Nacional da Conciliação, comemorado em 08 de dezembro.

O projeto “Tratamento das Situações de Superendividamento do Consumidor” traz informações sobre como evitar a situação ou quitar os débitos sem prejudicar a subsistência básica, para resgatar a saúde financeira do consumidor.

Cartilha anti-superendividamento

Para que suas dívidas não o empeçam de sequer consumir o necessário em sua residência, existem dez mandamentos que devem ser seguidos:

  • Em primeiro lugar, nunca gaste mais do que você ganha, o que indica que você terá problemas futuros;
  • O cenário econômico indica para uma grande oferta de crédito fácil para os consumidores, com baixas taxas de juros e facilidades de parcelamento. No entanto, não se iluda com esta oferta, veja se você realmente necessita do empréstimo e se terá condições de pagá-lo no futuro;
  • Antes de adquirir qualquer dívida, converse com sua família. Isso porque gastos imprevistos podem surgir, o que complicará sua situação na hora de pagar a dívida;
  • Quando assumir uma dívida, saiba todos os procedimentos para pagamento e exija-os por escrito. Leia atentamente o contrato;
  • Exija informações sobre as taxas de juros anuais e mensais e as compare entre instituições, para reconhecer a mais vantajosa de acordo com seu orçamento;
  • Exija o prévio cálculo do valor da dívida e veja se ela se encaixa em seu orçamento, ou seja, se é compatível com a renda;
  • Compare as taxas de juros concorrentes;
  • Não assuma dívidas para outras pessoas, as quais podem não arcar com o compromisso;
  • Nunca assuma dívidas nem forneça seus dados pela internet, meio pelo qual você poderá ser vítima de fraudes;
  • Sempre reserve parte de seu salário para as contas essenciais e nunca o comprometa para pagamento de dívidas.