Conteúdo editorial apoiado por

Servidores de órgão que fiscaliza setor de seguros no Brasil fazem paralisação por 2 dias

Mobilização busca valorizar as carreiras da Susep, diz sindicato da categoria

Jamille Niero

Publicidade

Servidores públicos da Susep (Superintendência de Seguros Privados), órgão fiscalizador do mercado de seguros, iniciaram nesta segunda-feira (4) uma paralisação que deve durar até esta terça (5).

A medida foi tomada após assembleia geral extraordinária, realizada na sexta-feira (1º), segundo informou o Sindsusep (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Superintendência de Seguros Privados), que representa a categoria, “para definir ações de mobilização em prol da valorização das carreiras da autarquia”.

De acordo com o sindicato, a partir de quarta-feira (6), ocorrerá “a implementação de operação-padrão que comprometerá a prestação de serviços e o andamento das atividades da autarquia”.

Newsletter

Segura Essa

Cadastre-se e receba semanalmente as principais notícias que você não pode deixar de saber sobre o universo dos seguros de um jeito rápido e fácil

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em nota publicada em seu site, o Sindsusep alega que o motivador da mobilização é “o crescente risco de ampliação das assimetrias salariais e a falta de respostas do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) quanto à retomada das negociações específicas” com a categoria.

Os representantes da categoria informaram ainda que a diretoria do sindicato foi convocada para reuniões com o MGI e o Ministério da Fazenda no mesmo período da paralisação, os encontros “só foram convocados após a intervenção da administração da Susep”. A alegação é que a única reunião para debater as solicitações da categoria com o MGI ocorreu em 25 de setembro de 2023.

“Apesar das várias tentativas do Sindsusep em continuar com as rodadas, o MGI não tem apresentado nenhum plano de retorno às negociações. Enquanto isso, o Banco Central (BC), que também compõe o Núcleo Financeiro, teve três encontros e, embora não tenha fechado acordo, já recebeu uma contraproposta do MGI”, continua o sindicato em nota, acrescentando ainda que “não pode ocorrer um descolamento das tabelas com o BC, pois isso seria catastrófico não apenas para as carreiras, mas para a própria Susep”.

Procurada pela reportagem do InfoMoney, a Susep informou, por meio de nota assinada pelo conselho diretor, que entende como “legítimo o pleito do corpo técnico” e a “preocupação com a atual situação das carreiras que compõem o quadro de servidores da autarquia”, principalmente em pontos como a “significativa redução do corpo funcional nos últimos anos, à previsão de agravamento dessa situação nos próximos meses e à necessidade de reestruturação das carreiras e de negociação para a recomposição das perdas salariais acumuladas”. 

A Susep informa ainda que “tem atuado de modo explícito e ininterrupto no apoio aos servidores da autarquia” e “vem mantendo um diálogo amplo e aberto” tanto com a entidade representativa dos servidores para auxiliar na interlocução com representantes do Ministério da Fazenda e do Ministério de Gestão e Inovação, além de “diálogo constante com o MGI” em relação à realização de novo concurso público para o quadro do órgão regulador do mercado de seguros.

Veja na íntegra a nota enviada à reportagem:

O Conselho Diretor da Susep esclarece que tomou ciência das ações de mobilização definidas pelos servidores da Susep, que, em Assembleia, deliberaram e aprovaram paralisação nos dias 4 e 5 de março, e, a partir de 6 de março, a implementação de operação padrão.

Sobre o assunto, a Susep entende legítimo o pleito do corpo técnico, que vem, faz considerável tempo, manifestando preocupação com a atual situação das carreiras que compõem o quadro de servidores da Autarquia, principalmente quanto à significativa redução do corpo funcional nos últimos anos, à previsão de agravamento dessa situação nos próximos meses e à necessidade de reestruturação das carreiras e de negociação para a recomposição das perdas salariais acumuladas.

Adicionalmente, há uma preocupação dos servidores com relação à sobrecarga de trabalho que pode advir com a aprovação do Projeto de Lei que insere no mercado regulado pela Susep as cooperativas e associações.

Atualmente, a autarquia é responsável pela supervisão das provisões técnicas do setor de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização, que correspondem a cerca de 15% do PIB Nacional e o setor segue em constante crescimento: em 2022, houve alta na arrecadação de 16,2% em relação a 2021, e em 2023, ocorreu crescimento de 9% em relação ao ano de 2022. Esses números são devidos, dentre diversos fatores, à excelência da atuação regulatória e fiscalizatória, derivada diretamente da qualidade do corpo de servidores da autarquia.

De modo a buscar a melhor solução para o fortalecimento da Susep, a Diretoria vem mantendo um diálogo amplo e aberto com a entidade representativa dos servidores, auxiliando na interlocução com representantes do Ministério da Fazenda (MF) e do Ministério de Gestão e Inovação (MGI).

Em relação à realização de novo concurso público, a autarquia tem mantido diálogo constante com o MGI, Ministério responsável por definir as prioridades da autorização dos novos concursos públicos no Poder Executivo Federal.

Assim, o Conselho Diretor da Susep tem atuado de modo explícito e ininterrupto no apoio aos servidores da Autarquia, esperando que as partes competentes cheguem a um consenso e à melhor solução possível, tendo em vista a relevância da Susep e dos mercados por ela supervisionados para o desenvolvimento econômico nacional.

Jamille Niero

Jornalista especializada no mercado de seguros, previdência complementar, capitalização e saúde suplementar, com passagem por mídia segmentada e comunicação corporativa.