Pouco mais de um terço do comércio varejista está automatizado, diz pesquisa

Dados da Bematech apontam que uso de hardware e software de gestão entre os entrevistados está aquém do desejado

Eliane Quinalia

Publicidade

SÃO PAULO – O varejo brasileiro ainda precisa evoluir no quesito automação, afinal, apenas 31,6% do setor encontra-se preparado para atividades comerciais. A informação foi divulgada nesta terça-feira (9) pela Bematech, que anunciou os resultados da pesquisa Panorama da Automação Comercial, feita em parceria com a Opinião Consultoria.

Segundo o levantamento, que avaliou a opinião de 3.147 pessoas no ano de 2010, a maior parte da base consultada é formada por estabelecimentos únicos, ou seja, que não fazem parte de redes ou franquias. Destes, estacionamentos e óticas são os que mais chamam a atenção, pelo baixo índice de recursos tecnológicos empregados em suas lojas.

Em contrapartida, os postos de gasolina e lojas de calçados e cosméticos/higiene estão entre os segmentos que mais apresentam recursos tecnológicos em suas instalações. Ao que consta, cerca de 66% destes locais já aceitam pagamentos em cartões de crédito, débito ou por telefone celular.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Pagamentos automatizados
Atualmente, as joalherias e lojas de departamento estão entre as que mais aceitam cartões de débito e crédito. A adesão por celular costuma apresentar uma menor adesão, sendo mais comum em postos de combustível, com 4%, e supermercados (2%).

Os hotéis lideram na pesquisa, que também avaliou o percentual de pagamentos on-line. Neles, o índice apontado foi de 6% das operações.

Melhorias no varejo
Entre as principais razões para aderir à automação, estão a conformidade com as exigências fiscais e a melhoria dos processos de estoque e financeiros. Além disso, 31% dos respondentes consideraram que a implantação de tais recursos agilizaram os processos e trouxeram melhorias no controle de gestão (15%).

Continua depois da publicidade

Para a responsável pelo Núcleo de Pesquisa e Inteligência da Bematech, Geisa Bonfiette, a pesquisa mostra que ainda é possível melhorar o setor. “Ainda existe muito espaço para a automação básica em bares e restaurantes, que podem ser beneficiados com emissores de cupom fiscais e softwares de gestão”, diz.

De acordo com a pesquisa, praticamente 69% dos que ainda não possuem investimentos em automatização pretendem adotar soluções tecnológicas nos próximos anos.