Alta na inadimplência

Porcentual de famílias com dívidas sobe a 64,8% em agosto, revela CNC

Foi a oitava alta mensal consecutiva. Segundo a CNC, o porcentual de endividamento atingiu o maior nível desde julho de 2013.

Jovem faz contas financeiras
(Shutterstock
Aprenda a investir na bolsa

O porcentual de famílias brasileiras com dívidas alcançou 64,8% em agosto, alta de 0,7 ponto porcentual em relação aos 64,1% de julho, conforme dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta sexta-feira, 13, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Foi a oitava alta mensal consecutiva. Segundo a CNC, o porcentual de endividamento atingiu o maior nível desde julho de 2013.

Também houve alta em comparação com os 60,7% de famílias endividadas em agosto de 2018. O aumento do endividamento foi acompanhado de elevação na inadimplência.

O porcentual de famílias com dívidas ou contas em atraso aumentou na comparação com o mês anterior, passando de 23,9% em julho para 24,3% em agosto, e teve alta em relação a agosto de 2018, quando o indicador registrou 23,8%.

Aprenda a investir na bolsa

Apesar da alta na inadimplência, houve melhora no porcentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso, que diminuiu para 9,5% em agosto, ante 9,6% em julho e 9,8% em agosto de 2018.

Em nota, a economista da CNC Marianne Hanson destaca que, apesar do aumento da inadimplência em agosto, a alta foi menor do que o aumento observado no endividamento.

Quer sair do vermelho? Invista. Abra sua conta na XP Investimentos – é grátis

“Isso demonstra que a redução das taxas de juros ainda tem permitido, à maior parte das famílias, acomodar as dívidas no seu orçamento e pagar as contas em dia”, diz a nota da CNC.

Entre as famílias inadimplentes, o tempo médio de atraso diminuiu de 64 dias em julho para 63,2 dias em agosto de 2019. Entre as famílias endividadas, a parcela média da renda comprometida com dívidas ficou em 29,8%, em agosto de 2019, ante 29,9% em julho.