Em minhas-financas

Como ficam as contas depois do casamento?

Para os noivos é bastante comum a dúvida: qual a melhor alternativa para gerenciar o orçamento depois de casados? Fique de olho em algumas dicas

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Você trabalha, seu noivo, ou noiva, também. Cada um tem sua conta corrente, paga suas despesas e mora na casa dos pais. Na fase pré-nupcial, juntos compraram um apartamento, móveis e utensílios para o novo lar. Os planos para futuro são promissores. Mas, uma pergunta é praticamente inevitável: depois do casamento, qual a melhor forma de conduzir as finanças?

Mudança da realidade
O sonho de uma vida a dois se tornou realidade. Porém a adaptação não é fácil. Mesmo vivendo praticamente grudados antes do casamento, a situação agora é diferente: vocês dividirão o mesmo teto. Portanto, tenha paciência e jogo de cintura para driblar as dificuldades.

É importante saber que muita coisa na vida de vocês irá mudar. Parece redundância, mas não é. Abordando apenas o aspecto financeiro, um fator é prioritário: morando na casa de seus pais, vocês deixavam de arcar com muitas despesas, que agora farão parte do dia-a-dia. Por isso, precisam se organizar para assimilar bem a mudança.

Respeito à individualidade
E qual a melhor forma de gerenciar o orçamento? O esperado é que ambos participem desta tarefa, controlando receita e despesa e priorizando objetivos. Portanto, a dica é rever gastos, relacionando o orçamento individual, que agora será "dois em um". Cortem da lista o que ambos julgarem supérfluo e dividam as novas despesas, respeitando, é claro, a proporção entre os salários (quem ganha mais, paga mais).

Outro ponto: por mais que tenham afinidades e que façam muitos planos juntos, é preciso respeitar a individualidade e permitir que cada um continue com sua conta corrente. Afinal, não é porque estão morando juntos que terão que dividir absolutamente tudo! Esta prática pode até ser poética no início, mas, com o passar do tempo, pode fazer com que uma das partes se anule, abrindo mão de alguns hábitos pessoais, o que pode ser desastroso no longo prazo.

De olho no futuro
Todo começo é difícil. Portanto o ideal é que cada um faça a sua parte, pensando no bem estar de ambos. É necessário valorizar a carreira, pois é ela que lhe garante o salário. Caso um dos dois esteja descontente na empresa atual, é necessário planejamento para uma futura mudança. Nenhuma atitude drástica, que reflita diretamente no orçamento de vocês, deverá ser tomada neste primeiro momento.

Não confie demais na idéia de que um dos dois pode garantir o sustento da casa, e que o outro pode, por isso, deixar de trabalhar. Ninguém pode garantir esta situação por muito tempo e no mundo corporativo as mudanças acontecem sempre sem aviso. Ou seja: ninguém possui estabilidade absoluta no emprego, por melhor que seja a situação.

Não se trata de pessimismo. A idéia é construir uma base sólida, que dará a vocês a segurança necessária para um futuro tranqüilo, com a chegada planejada dos filhos daqui a algum tempo. Desta forma, vocês verão os sonhos de hoje se tornarem realidade. Basta manter os pés no chão e os bolsos sob controle, e tudo correrá bem!

 

Contato