Em minhas-financas

Satisfação do consumidor mostra queda em dezembro de 2011, diz ESPM

No último mês de 2011, houve queda de 6,6 pontos percentuais, na comparação com o mês imediatamente anterior

SÃO PAULO – O INSC (Índice Nacional de Satisfação do Consumidor) registrou queda em todos os setores e subssetores analisados, fechando o mês de dezembro com 56,2% de satisfação do consumidor, ou seja, uma queda de 6,6 pontos percentuais frente a novembro do mesmo ano.

Divulgado nesta quinta-feira (12), ele é o primeiro e único indicador com informações totalmente levantadas na internet. Foi criado pelo professor pesquisador da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) e global chief digital officer da Rapp, Ricardo Pomeranz.

Setores
O INSC mostra que a avaliação dos consumidores em relação ao setor financeiro passou de 53,6% em novembro de 2011 para 44,7% em dezembro do mesmo ano.

Entre as razões que explicam a queda, está a má avaliação em relação aos comerciais de televisão criados para o Natal e Ano Novo, considerados chatos, irritantes e hipócritas. Os internautas também criticaram as filas, o mau atendimento, os roubos e assaltos a bancos.

Já o varejo teve redução de 6 pontos percentuais, fechando dezembro com 67,2%, e o setor de informação passou de 47,6% em novembro de 2011 para 43,5% em dezembro.

O setor de bens de consumo fechou dezembro com índice de 64,7%, contra 70,6% no mês imediatamente anterior, em razão dos resultados da indústria automobilística (51,8%, com queda 9,1 pontos percentuais), de bebidas (87%, queda de 1,3 p.p.), de cuidados pessoais (76,1%, menos 0,3 p.p.), de alimentos (72,6%, diminuição de 4,6 p.p.) e eletroeletrônicos (62,4%, queda de 6,1 p.p).

O último setor é o de Health Care - das indústrias farmacêuticas -, que registrou 66,8% de satisfação, com queda de 1,7 ponto percentual.

O estudo
O INSC utiliza as redes sociais para coletar dados, mensurando as expressões, colhidas na web, de acordo com três pilares – qualidade percebida de produtos e serviços, expectativa do consumidor e valor percebido. Juntas, as 43 companhias representam 15,4% do PIB brasileiro, analisando 27,2% do mercado voltado ao consumidor final.

O estudo da ESPM avalia mensalmente o que se comenta na web sobre 43 empresas: Casas Bahia, Lojas Americanas, Ponto Frio, Casas Pernambucanas, Carrefour, Pão de Açúcar, Walmart, Zaffari, Banco do Brasil, Itaú-Unibanco, Bradesco, Santander, Claro, Vivo, Oi, Tim, GM, Ford, Volkswagen, Fiat, Ambev, Schincariol, Coca-Cola, Pepsi, Unilever, Natura, Avon, Johnson & Johnson, Whirpool – Brastemp, Consul, Kitchen Aid, Sansung, LG, HP, Electrolux, Nokia, Positivo, Brasil Foods, Nestlé, Kraft Food, Yoki Alimentos, Pfizer, Novartis, Sanofi-Aventis e Roche.

 

Contato