Passo a passo

Kit para casais que desejam prosperidade

Pesquisa com mais de 2.000 pessoas no Reino Unido descobriu que preocupações com o dinheiro estão no topo da lista de razões pelas quais casais se separaram

Aprenda a investir na bolsa

Você sabia que a falta de conhecimento financeiro básico e as diferenças nas crenças sobre o dinheiro são apontadas como dois dos principais fatores para a separação ou o divórcio dos casais?

Uma pesquisa realizada pela firma Slater e Gordon com mais de 2.000 adultos no Reino Unido descobriu que as preocupações com o dinheiro estão no topo da lista de razões pelas quais os casais se separaram.

Veja as 10 principais causas de divórcio entre casais:

1. Pressões financeiras

2. Estresse no trabalho

3. Responsabilidades domésticas

4. Não passar tempo suficiente juntos

5. Falta de sexo

6. Discussões sobre parentes

7. Parceiro não é carinhoso o suficiente

8. Interesses diferentes

9. Discordâncias sobre a criação de filhos

10. Falta de confiança devido a infidelidade no passado

Mais de um terço das pessoas disseram que as pressões financeiras eram o maior desafio para o casamento, enquanto um quinto afirmou que a maioria das discussões era sobre dinheiro.

Um em cada cinco entrevistados culpou seu parceiro por preocupações com dinheiro, acusando-o de gastar demais ou falhar no orçamento adequadamente.

Já parou para pensar que grande parte dos problemas de um casal vem do dinheiro?

Seja na falta de dinheiro, o que é mais comum, ou no excesso de dinheiro (sim, no excesso também há muito problema!), a falta de diálogo financeiro entre o casal é o que mais atrapalha a saúde do relacionamento.

Na verdade, é essencial que o casal saiba quais são os sonhos um do outro. Esses sonhos têm que ser compartilhados, conhecidos, e, de preferência, o casal tem que buscar conquistá-los juntos!

Sempre falar sobre os meios para conquistar esses sonhos!

Mesmo depois de casadas, algumas pessoas seguem administrando o dinheiro da mesma forma que faziam quando ainda estavam solteiras – e esse jeito de olhar para as finanças pode ou não combinar com o do cônjuge. Outros podem assumir as responsabilidades por conta própria ou simplesmente empurrá-las para o parceiro.

Você já ouviu falar de INFIDELIDADE FINANCEIRA?

Alguns cônjuges até mentem, trapaceiam, gastam demais e fazem com que toda a confiança no relacionamento seja uma memória distante!

Sendo um casal recém-casado, como vocês podem impedir que essas tragédias aconteçam em seu casamento?

O segredo é: quanto antes vocês agirem, mais esse casamento será saudável em todos os aspectos, inclusive no financeiro.

A gestão do dinheiro pode e deve ser uma forma muito gratificante de você se relacionar com a pessoa com quem você divide a vida!

Neste material, vou compartilhar algumas das estratégias que eu utilizo para garantir que você e sua família estejam no caminho certo e gerenciem suas finanças conjuntamente. Vamos lá?

Para conquistar o equilíbrio financeiro, é importante que o casal siga essas estratégias:

1. Falem de finanças

Como diz o ditado, o combinado nunca sai caro. Quanto antes vocês começarem a falar sobre dinheiro no casamento, mais esse assunto se tornará natural e tranquilo. Obviamente, esse tema deve começar a fazer parte das conversas do casal aos poucos.

Meu conselho é que vocês comecem compartilhando sonhos e desejos que envolvem dinheiro. Se cada um tem uma vida financeira própria, provavelmente um não ficará à vontade se o outro começar a dar palpites sobre seus gastos pessoais.

Porém, é importante que o casal, desde agora, assim que acabar de ler este material, estabeleça sonhos comuns, que podem envolver a construção de uma família, a aquisição de imóveis ou até grandes viagens planejadas.

O que importa é que o assunto seja levado com naturalidade e que tudo seja dito, sem meias palavras.

Falar de dinheiro vai ajudar que o relacionamento de vocês evolua e prospere!

2. Transformando sonhos em metas

Vocês se casaram e pretendem construir uma vida juntos, certo?

E essa vida juntos vai envolver dinheiro, não é mesmo?

Ter seus próprios sonhos é muito importante, mas ter sonhos em conjunto é também essencial. É preciso que vocês comecem a sonhar juntos e, mais ainda, que vocês planejem estes sonhos e transformem os sonhos em metas.

Transformar em meta é colocar objetivos concretos, é calcular quanto custa esse sonho e em quanto tempo vocês vão conseguir alcançá-lo!

3. Façam um orçamento

Para que consiga equilibrar as finanças e transformar os sonhos em metas, é essencial que o casal faça um orçamento e que limite os valores que poderão gastar em determinadas categorias desse planejamento, como comida, entretenimento e compras.

Na elaboração do orçamento, é importante que vocês comecem analisando as despesas conjuntas nos últimos meses para determinar quanto foi gasto e se é necessário reduzir estes valores. Em seguida, estabeleçam limites financeiros por categorias, sempre de acordo com suas rendas.

Não se esqueçam de alocar despesas inesperadas ou irregulares, como manutenção de rotina do carro ou consultas médicas. O orçamento pode ser um trabalho em andamento, portanto, não se preocupem se precisarem fazer ajustes, principalmente nos primeiros meses.

4. Acompanhem o orçamento

Não basta apenas fazer o orçamento: vocês precisam acompanhá-lo e cuidar para se manterem nos limites de gastos que foram estabelecidos conforme a situação, despesa ou renda da casa.

Uma forma prática e simples de fazer isso é usar uma planilha que rastreie todos os seus gastos e sinalize quando vocês ultrapassarem os valores estabelecidos.

Como ferramenta de apoio, recomendo o download da planilha de controle financeiro para casais que o Infomoney preparou exclusivamente para você. Clique aqui para baixar o arquivo.

5. Construa um fundo de emergência

Se vocês ainda não possuem um fundo de emergência, considerem isso uma prioridade absoluta.

O fundo de emergência é um dinheiro reservado exclusivamente para imprevistos. Qualquer coisa que aconteça, como uma doença familiar, desemprego, acidente ou até um reparo doméstico inesperado, terá os custos quitados com o valor disponível neste fundo.

Recomendamos que vocês tenham guardado em um fundo de emergência um valor que consiga mantê-los por até 6 meses, usando como base a soma da renda atual de cada um.

O fundo de emergência deve ser uma prioridade, pois trará segurança financeira e protegerá seu relacionamento em caso de imprevistos ou desastres. Esse dinheiro precisa ser guardado em algum lugar de fácil acesso e deve ter alta liquidez.

6. Façam reuniões sobre dinheiro

Como eu já falei aqui, falar de dinheiro é essencial para que o casal prospere. Uma atitude bem prática e que irá ajudá-los muito a se manter no plano é estabelecer reuniões frequentes sobre dinheiro. O ideal é que, pelo menos uma vez ao mês, o casal verifique se estão cumprindo as metas estabelecidas.

Essas reuniões são ótimas, porque fortalecem a comunicação no casamento e aumentam o nível de confiança do casal. Quando os dois sabem onde estão em termos financeiros e veem que estão se esforçando para cumprir com o planejado, tudo fica mais fácil.

Esse diálogo também reduz um possível estresse sobre qualquer incerteza financeira, deixando o casal mais tranquilo.

7. Contas conjuntas ou separadas

Eu sempre sou a favor de respeitarmos a individualidade de cada um. Dinheiro traz liberdade e uma das melhores coisas da vida é podermos usufruir do nosso esforço quando investimos bem o nosso dinheiro com coisas que nos são prazerosas e positivas.

Por isso, minha recomendação é que cada um tenha sua conta bancária e que o casal também estabeleça uma conta conjunta de investimentos para os sonhos. Nessa conta, devem estar os investimentos de curto, médio e de longo prazo, e o casal deve saber exatamente qual é qual, acompanhando a evolução de cada um.

Existem vantagens e desvantagens em ter mais contas bancárias. Por isso, cada caso deve ser analisado com cuidado. A combinação de contas pode, por exemplo, simplificar suas finanças e ajudar a gerar confiança em um casamento.

Além disso, ela pode ser especialmente valiosa quando um dos cônjuges decide assumir mais tarefas domésticas ou de criação dos filhos do que o outro e, como resultado, há desigualdade de renda.
Se vocês optarem por abrir uma nova conta juntos, use uma conta corrente gratuita para evitar taxas desnecessárias.

8. Saiam das dívidas e se mantenham fora delas

As dívidas podem ser prejudiciais para qualquer pessoa, mas tornam-se uma dupla ameaça quando você é casado, pois duas pessoas serão responsáveis pelo pagamento desta dívida.

Por isso, vocês devem começar o casamento buscando erradicar quaisquer dívidas já existentes e não acumular novas.

Elaborem um plano em conjunto, pois viver um casamento sem dívidas não é apenas saudável para você, mas essencial para manter o relacionamento saudável também.

Se vocês possuem muitas dívidas e com juros muito altos, considerem buscar a renegociação com os credores. Dependendo da negociação, podem conseguir um abatimento de até 90% do valor devido.