Conteúdo editorial apoiado por

Instituições financeiras criam seguro que indeniza em casos de golpes com Pix; veja como funciona

Diante do aumento de golpes em transações via Pix, bancos e varejistas começam a ofertar seguros que cobrem até R$ 50 mil

Giovanna Sutto

(Fonte: Pixabay/Mohamed_hassan)

Publicidade

SÃO PAULO – A popularidade do Pix é inegável: são mais de 1,04 bilhão de transações até o mês de setembro, desde o seu lançamento. O número de chaves já passa dos 330,7 milhões e são 109,7 milhões de usuários, considerando pessoas físicas e jurídicas.

Porém, à medida que mais e mais pessoas aderem e usam o Pix para fazer transferências e pagamentos instantâneos, crescem também os golpes e tentativas de fraudes envolvendo o sistema.

A cada oito segundos, um brasileiro é vítima de golpes ou fraudes virtuais, sendo que as fraudes envolvendo o Pix estão entre as mais frequentes, segundo um estudo do Serasa Experian.

Continua depois da publicidade

Diante desse cenário, soluções para evitar prejuízos começaram a ser elencadas. O Banco Central, criador do sistema e principal fiscalizador, ajustou as regras do Pix para limitar o valor das transações a R$ 1 mil durante à noite.

Além disso, surge uma nova modalidade de seguro: instituições financeiras vêm criando e desenvolvendo produtos que deem proteção ao cliente quando se diz respeito ao uso do Pix.

O que é?

O seguro é uma nova modalidade, que algumas instituições já criaram e outras já desenvolvem, que visa proteger a pessoa física de possíveis golpes ou fraudes relacionados à transferências de dinheiro envolvendo o Pix.

Continua depois da publicidade

O Santander anunciou o Santander Seguro Transações, modalidade criada para proteger o cliente pessoa física que realiza, sob coação, transferências via Pix, mas também inclui DOC, TED e TEF.

A contratação do seguro estará disponível para todos os correntistas pessoa física do Santander em novembro e poderá ser feita pelo aplicativo e nos caixas eletrônicos do banco.

O Mercado Pago também anunciou que irá oferecer uma solução similar em sua conta digital.

Continua depois da publicidade

“Com o objetivo de oferecer cobertura em caso de eventuais ocorrências, principalmente em ambientes externos, o Mercado Pago passa a disponibilizar seguros de perda, roubo e furto, proteção de compras, saques em dinheiro e saques e transferências sob coação – inclusive com Pix e Código QR”, disse a empresa em nota.

A contratação estará disponível para os clientes a partir de novembro e a oferta será em parceria com a seguradora BNP Paribas Cardif, empresa de seguros de crédito e especialista em seguros massificados do Brasil

. “Com um ano de operação no segmento de insurtech, nossa estratégia inclui olhar para o seguro como ferramenta de acesso ao dinheiro digital, abrindo mais uma porta para a inclusão financeira dos brasileiros”, explica Tulio Oliveira, vice-presidente do Mercado

Continua depois da publicidade

O Bradesco também anunciou sua versão do produto: o seguro, que vale para transações bancárias realizadas por meio do aplicativo Bradesco em dispositivos perdidos, roubados ou furtados, também inclui o Pix e não para fraude no Pix no caso de transferências, pagamentos QR Code e Pix Copia e cola.

O banco ressaltou que o seguro não cobre fraudes envolvendo Pix, como casos de engenharia social, quando o cliente é convencido por um criminoso e faz um Pix por engano, por exemplo.

O InfoMoney entrou em contato com o Banco do Brasil, com o Itaú, com a Caixa e com o Pic Pay para entender se eles também ofereciam produtos similares.

Em nota, o Banco do Brasil explicou que trabalha em um seguro nesse sentido com o foco em proteger itens pessoais. “Entre as coberturas previstas, está a proteção para saques, compras ou transferências via Pix sob coação, com previsão de lançamento para o início de 2022”.

O valor de cobertura terá limite de R$ 1.000 e, inicialmente, não terá coberturas relacionadas a fraudes. “A ampliação da cobertura e dos limites de indenização serão avaliados no decorrer da maturação da carteira.”

O Itaú, por sua vez, também afirmou que uma nova solução com proteção e cobertura para transações digitais realizadas sob coação deve ser disponibilizada aos clientes em breve.

O Pic Pay explicou que não oferece o produto, por enquanto.

Como funciona?

Cada instituição tem seus processos internos, mas a lógica é a mesma: o cliente pode optar por pagar um valor mensal a fim de obter uma cobertura em caso de problemas envolvendo transações com o Pix.

No Santander, são três planos diferentes, que são ofertados de acordo com o segmento do cliente. Dessa forma, terão mensalidades de R$ 9,99, R$ 18,99 ou R$ 24,99, e cobertura anual de R$ 3,5 mil, R$ 8 mil ou R$ 20 mil, respectivamente.

“O cliente contará com a proteção do seguro quando ele for coagido a realizar um Pix ou uma transferência a partir de sua conta corrente no Santander, respeitando um período de carência. No caso de fraudes e golpes, a orientação é que o cliente se certifique, antes de realizar suas movimentações, sobre a idoneidade do destinatário dos recursos, já que este tipo de transação não será coberta pelo novo seguro”, diz o banco em nota.

O seguro também indenizará o cliente nos casos de um bem adquirido com o Pix Santander e roubado em até sete dias após seu recebimento, com valores que variam de R$1 mil a R$3 mil dependendo do plano.

No Mercado Pago são dois tipos de planos de conta protegida, um no valor de R$3,50 mensais e cobertura de R$5 mil reais, e outro de R$5 reais mensais, para coberturas de até R$ 10 mil em pagamentos, compras e transações. A cobertura é válida para débitos que tenham sido efetuados no período de 96 horas antecedentes a notificação do ocorrido.

É possível usar a versão web ou o aplicativo escolher o plano, contratar, acessar o certificado, abrir e gerenciar o sinistro.

“Pelo app, também é possível ter acesso ao detalhamento de toda a cobertura e termos de uso, condições gerais da apólice – antes e após a contratação”, diz a empresa.

No Bradesco há três planos: Classic, Exclusive e Prime e os valores mensais para adesão são R$ 8,99; R$ 11,99; R$ 15,99, respectivamente. Neste caso, o Seguro Proteção Digital é exclusivamente destinado aos clientes usuários do app Bradesco.

O plano Classic cobre até R$ 20 mil em danos, enquanto o Exclusive cobre R$ 35 mil e o Prime até R$ 50 mil. Não há carência e a vigência inicia a partir das 24 horas do dia de pagamento.

“A contratação pode ser realizada no próprio app do banco. Os limites de contratação das coberturas variam conforme segmento do correntista no banco”, disse o Bradesco em nota.

Vale a pena?

O novo serviço é mais uma opção ao cliente final, que quer se proteger de eventuais roubos, golpes e assaltos envolvendo o risco de o criminoso usar o Pix para efetuar transferências e pagamentos.

“Faz sentido esse produto surgir agora diante do aumento dos golpes envolvendo Pix. Mas sempre foi uma discussão entre as instituições finacneiras: como recuperar a receita que foi perdida com a chegada do Pix? Os grandes bancos usaram o ecossistema e grande portfólio que possuem para ofertar uma nova solução e seguir monetizando o cliente. O varejo tem ainda mais vantagem porque começa a oferecer e também monetizar seu negócio por outro segmento, neste caso com parcerias”, avalia Ricardo Pandur, gerente sênior de estratégia de negócios da Accenture.

“O cliente sempre precisa olhar sua vida financeira e colocar na balança a necessidade de um produto como esse. Mas a iniciativa das instituições mostra que tem público”, acrescenta.

Mas na prática, o que o consumidor pode fazer para não pagar a mais: ficar atento às dicas de segurança para evitar compartilhar senhas, dados pessoais, clicar em links maliciosos, entre outros pontos. O InfoMoney já fez uma reportagem que responde algumas questões sobre proteção de dados, Pix  e a integração com o Open Banking.

“”

Giovanna Sutto

Repórter de Finanças do InfoMoney. Escreve matérias finanças pessoais, meios de pagamentos, carreira e economia. Formada pela Cásper Líbero com pós-graduação pelo Ibmec.