Filho pode ensinar mãe a organizar as contas, com planos até de aposentadoria

Abordar a gestão do dinheiro agora é um jeito de pavimentar uma velhice segura e sem soluços financeiros

Giovanna Sutto

(Foto: Pexels / Andrea Piacquadio)

Publicidade

“Se fosse Lehman Sisters em vez de Lehman Brothers, o mundo seria muito diferente hoje.” Esta frase é de Cristine Lagarde, ex-ministra das Finanças da França e ex-diretora do FMI, no blog do Fundo Monetário Internacional para os dez anos do estouro da bolha imobiliária de 2008.

Entre as várias interpretações possíveis para a frase da atual presidente do Banco Central Europeu, está o papel da mulher com ou sem filhos na economia e nas finanças. Embora tenham sido desincentivadas e afastadas do contexto financeiro ao longo da história, são elas quem administram a maioria dos lares no Brasil: das 75 milhões de casas, 50,8% tinham liderança feminina, o correspondente a 38,1 milhões de famílias, segundo dados do Dieese. Já as famílias chefiadas por homens somam 36,9 milhões.

“A mulher enfrenta mais barreiras nas finanças: além da desigualdade de gênero, o tabu para falar de dinheiro, especialmente no Brasil, é real. E quando você vira mãe, as responsabilidades ficam ainda maiores e muitas das mulheres se afastam do tema”, afirma Patrícia Palomo, CFP e conselheira da Planejar.

Continua depois da publicidade

“Com maior presença no mercado de trabalho e também no orçamento doméstico, a mãe, muitas vezes, é a pessoa que comanda e é a principal fonte de renda da família. O que acontece é que, por conta da nossa sociedade, muitas vezes as mulheres fazem tudo isso sem ferramentas e conhecimentos técnicos”, complementa a especialista.

Nesse cenário, os filhos, muitas vezes, têm um papel essencial em ajudar as mães a aprenderem mais sobre o universo financeiro, apresentando fontes de informações, incentivando o aprendizado e apoiando a evolução nessa trilha de conhecimento.

Para Caio Alberconi, planejador financeiro CFP, a relação entre os filhos e as mães no âmbito das finanças pode ser muito proveitosa. “Tem dois lados: o filho identificar que a mãe possa eventualmente precisar de ajuda e se oferecer para ajudar; e do outro lado, a mãe pedir auxílio para se organizar melhor. Nesses diálogos, do ponto de vista de orientação, eu sempre aconselho a começar pelo conteúdo e deixar a forma de lado”, afirma.

Continua depois da publicidade

Vinicius Fernandes, 31, é um exemplo dessa relação: ele ajuda a mãe, Tania Regina, 58, com as finanças da casa desde cedo. Ele conta que começou a participar da vida financeira do lar quando, aos 16 anos, sua mãe perdeu o emprego.

“Em 2009, a empresa que ela trabalhava fechou no Brasil. Ela voltou a trabalhar em um escritório, porém a renda foi muito reduzida. Por conta desses eventos comecei a assumir algumas responsabilidades, principalmente quando comecei o período de estágio”, conta Fernandes, que fez administração na FEA-USP (Universidade de São Paulo).

Desde, então, as conversas sobre orçamento doméstico se tornaram frequentes, e com o tempo, ele percebeu que a comunicação era muito importante. “Ela não gosta de finanças, então quanto mais ‘mastigado’ o conteúdo, melhor. Sempre que conversamos tento usar exemplos cotidianos e, às vezes, até alerto sobre quais produtos estão mais caros no mercado, por exemplo. E ela ‘foge’ de temas como investimentos”, conta.

Continua depois da publicidade

“Pela diferença de gerações, as mães geralmente cresceram em outro contexto histórico, financeiro, social. Vão ter os vieses comportamentais de ancoragem ou confirmação, como quando acham que imóvel é o melhor investimento ou que poupança é mais seguro, por exemplo, porque foram ensinadas assim. Essas questões precisam ser trabalhadas com amor e paciência pelos filhos, assim como as mães têm amor e paciência para criá-los”, analisa Palomo.

Baixe uma planilha gratuita para calcular seus investimentos em renda fixa e fuja dos ativos que rendem menos

Como filhos podem ajudar as mães?

Alberconi lembra que, muitas vezes, barreiras de tecnologia, como excesso de planilhas, podem desincentivar a mãe de se aprofundar no assunto, especialmente se ela está começando a se aproximar no tema.

Continua depois da publicidade

“Pensando em auxiliar do zero, o melhor é começar a introduzir a importância de fazer um bom planejamento. Muitas vezes é um tema que a mãe não domina e que deixa de lado por uma série de razões ao longo da vida. Então, começar no simples pode ser a saída”, avalia Alberconi.

Cintia Senna, educadora financeira, acrescenta a importância da comunicação. “O filho precisa dialogar e escutar as necessidades e os desejos da mãe. Esses pontos são critérios importantes na construção do planejamento financeiro e da organização do orçamento: a mãe quer viajar? precisa juntar dinheiro para um curso? quer separar um dinheiro para quando ficar mais velha? É importante entender os motivos dela para depois buscar ferramentas e conhecimentos para ajudá-la”, explica.

Em termos de organização, Palomo indica sequência para planejamento financeiro. Veja:

Continua depois da publicidade

  1. Faça a organização de despesas e receitas
    Liste as fontes de receitas e despesas que podem ficar relevantes, a depender da idade da mãe, como planos de saúde, por exemplo. Importante adicionar as dívidas vigentes para conseguir visualizar toda a vida financeira;
  2. Desenhe o orçamento
    Com esse mapeamento, é possível desenhar um orçamento. É importante saber quanto se gasta com farmácia, saúde, plano de saúde, lazer e moradia para ter uma visão mais consolidada;
  3. Aplique plano de ação
    Se perceber que está saindo mais dinheiro do que entra, será necessário um plano de ação para equilibrar o orçamento. A especialista afirma que, dentro desses macrotemas, é necessário observar o que não pode faltar e o que pode ser substituído e renegociado: como dívidas, trocar pacote de serviços, como conta de celular e streamings, por exemplo, sempre olhando para o ano;
  4. Monte uma reserva de emergência
    Imprevistos acontecem, e as mães precisam estar preparadas para lidar com emergências. Além de sua situação financeira, elas costumam ser a primeira fonte de pedido de ajuda dos filhos também. A reserva de emergência é crucial para ela e para a família. Importante fazer a reserva depois dos primeiros passos de organização. A recomendação é cobrir os custos fixos e ter uma ‘gordura’ entre 6 e 12 meses de reserva de emergência.
  5. Pense no futuro
    Com a reserva de emergência feita, uma boa orientação aos filhos que vão ajudar suas mães é conversar sobre aposentadoria com o objetivo de garantir conforto para a genitora. Naturalmente, se a mãe se interessar pelo tema, importante apresentar investimentos e aplicações menos conservadoras, como fundos de investimentos e fundos imobiliários para multiplicar o patrimônio.

“Além desse passo a passo, a depender da situação, é importante que o filho introduza o seguro no planejamento financeiro. Pensar em seguro de vida, da casa, para invalidez, funerário, entre outros, pode ser positivo na garantia de uma organização financeira em momentos difíceis”, ressalta Palomo.

Fernandes considera que o diálogo sobre finanças entre mãe e filho pode render bons frutos. “Hoje, como não moro com ela, minha ajuda é mais simples. Os custos mensais já são de certa forma fixos e estabilizados, o que demonstra que, ao longo da vida, nossas conversas deram certo. E qualquer despesa ‘extraordinária’ conversamos para resolvermos a melhor forma de arcar”, finaliza Fernandes sobre o resultado da troca que conseguiu estabelecer com a mãe sobre gestão do dinheiro.

Baixe uma planilha gratuita para calcular seus investimentos em renda fixa e fuja dos ativos que rendem menos

Giovanna Sutto

Repórter de Finanças do InfoMoney. Escreve matérias finanças pessoais, meios de pagamentos, carreira e economia. Formada pela Cásper Líbero com pós-graduação pelo Ibmec.