Entrevista: CSU critica patamar das ações após reverter prejuízo

Diretor de Relações com Investidores acredita que empresa poderá distribuir dividendos em 2010

SÃO PAULO – Em 2008, a CSU CardSystem (CARD3) conseguiu reverter dois anos de prejuízo acumulado e agora desfruta de uma situação confortável para 2009. “Trabalhamos duro desde o segundo semestre de 2007 para fazer esse turnaround. No ano passado, conseguimos realizar essa retomada desde praticamente o primeiro trimestre”, comemora o diretor de RI, Décio Burd.

Em entrevista à InfoMoney, após a divulgação do resultado do quarto trimestre – que consolidou avanços nos indicadores operacionais -, o executivo lamenta que, apesar do acerto de medidas “tradicionais”, o patamar de R$ 3 da ação da companhia está “muito aquém do que deveria estar”.

Colhendo frutos da reestruturação, a administradora de meios eletrônicos de pagamento lucrou R$ 9,5 milhões no ano passado, tendo receita líquida de R$ 363 milhões e Ebitda (geração operacional de caixa) 89% superior a 2007 (R$ 64,4 milhões), com avanços fortes nas unidades de cartões, de gestão de programas de fidelização de call centers. Confira a entrevista:

PUBLICIDADE

InfoMoney – Podemos esperar em 2009 o mesmo ritmo de expansão de 2008?

Décio Burd – Não podemos esperar isso. Imaginamos que teremos um crescimento significativo que pode chegar aos dois dígitos, mas será muito menor do que se não tivesse a crise.

Até hoje não tivemos nenhum reflexo que pudesse sugerir qualquer redução de receita ou rentabilidade. Até agora nada. Mas não podemos achar que isso é uma realidade. Em algum momento poderá ter algum efeito, ainda que, com certeza, não seja o mesmo efeito que ocorre sobre setores de commodities e bens de capital.

Décio Burd, diretor de Relações com Investidores da CSU

É possível os dois dígitos de crescimento. Acredito que podemos chegar a 10%. Seria um terço do ano anterior. A relatividade é muito importante. Tivemos variações fantásticas em 2008, como nessa área da CardSystem, de 35% no acumulado do ano.

Qual será a estratégia para a área de cartões?

Estamos focando na parte comercial. Nossos investimentos continuam normalmente, não teremos diminuição. Temos uma área comercial muito bem estruturada e colocamos muita força em 2009, sem tirar os olhos da rentabilidade. Atentos a produtividade, gestão de pessoas e controle de custos.

PUBLICIDADE

Como foi realizada a redução no endividamento?

Utilizamos todo o caixa gerado para amortizar nossos empréstimos e não contratar empréstimos novos nas novas taxas de juros. E isso funcionou muito bem, porque hoje já começamos a ter taxas mais razoáveis.

Com o nosso caixa já conseguimos fazer nossos investimentos e independentemente disso temos uma linha de crédito de curto prazo de R$ 30 milhões, que não está sendo utilizada. Ela pode ser utilizada como fonte de financiamento quando necessário. Temos uma situação financeira bastante confortável.

A empresa pode iniciar a distribuição de dividendos em breve?

Não podemos distribuir dividendo com base em 2008. Isso porque terminamos 2007 com cerca de R$ 11,34 milhões de prejuízo acumulado. E terminamos 2008 com R$ 1,8 milhão de prejuízo acumulado: amortizamos R$ 9,5 milhões de prejuízo. No ano que vem muito provavelmente já estaremos distribuindo dividendos.