Conteúdo editorial apoiado por

Drex vai alimentar Open Insurance e sistema de apólices, diz superintendente da Susep

Interação deve criar mais transparência nos contratos, aponta Alessandro Octaviani

Maria Luiza Dourado

Alessandro Octaviani (Reprodução/Gov.br/Susep)

Publicidade

O Drex, moeda digital em fase de testes e criada pelo Banco Central, deve alimentar iniciativas de inovação da área de seguros, como o Open Insurance (sistema de dados compartilhados do setor) e o SRO (de registro de operações a partir das apólices, que são os contratos dos serviços de seguros).

Para Alessandro Octaviani, gestor da Susep (Superintendência de Seguros Privados), a economia tokenizada, que inclui as moedas digitais com o Drex, poderá impulsionar o uso do SRO para que os contratos e os serviços ofertados pelo setor de seguros sejam mais transparentes.

“(A tecnologia) poderá permitir que o SRO, que é basicamente o fiscalizador, tenha todas as informações do que todas as nossas empresas fiscalizadas fazem a qualquer tempo e just in time, de qualquer contrato, qualquer movimentação financeira”, afirmou em evento realizado nesta quinta (7), sobre o Drex, pelo Banco Central em Brasília.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Riscos

Mas o lado B, segundo o superintendente da Susep, da nova realidade ultraconectada e dinâmica é o risco de grupos criminosos desenvolverem sistemas análogos ou falsificações do mesmo ativo (tokenizado). “Essa é uma questão seríssima. E mais: como é que partes tecnologicamente mais frágeis no sistema financeiro terão que lidar com cópias deste ativo?”, provocou. Por isso, Octaviani defende fiscalização mais rigorosa sobre o setor. “Grandes poderes, grandes responsabilidades”, disse.

Apesar dos temores e dos desafios, a discussão do tema é um caminho sem volta, acentuou Otaviani. “A gente vai migrar para o Open Insurance e para uma regulação altamente digitalizada. Não vamos voltar a fiscalizar em papel”, afirmou.

Maria Luiza Dourado

Repórter de Finanças do InfoMoney. É formada pela Cásper Líbero e possui especialização em Economia pela Fipe - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.