Conteúdo editorial apoiado por

Da LGBTfobia à gordofobia: como o seguro protege vítimas das ‘novas feridas’ da escola?

Já há apólices para cobertura de danos emocionais registrados em sala de aula; veja quais são e como detectá-los

Gilmara Santos

Publicidade

A escola é o primeiro laboratório da vida. Entre livros e provas, crianças e adolescentes aprendem a conviver com o universo do outro. Essa convivência, no entanto, é atravessada por tensões que há até pouco tempo eram tratadas como simples brincadeira. Mas não é.

Veja o caso do bullying. Ao ser nomeado, o problema vem sendo estudado e atacado pelos próprios alunos, pais, professores e especialistas do comportamento. A versão “cyber”, que nada mais é do que o ato de humilhar e agredir alguém de forma sistemática no ambiente virtual, também é outro desafio que se impõe.

As “feridas” não param por aí. A LGBTfobia (ódio a lésbicas, gays, bissexuais, travestis, pessoas trans, queers, pessoas intersexo e assexuais), gordofobia, racismo e um grau de violência sem precedentes (como os registrados em massacres) têm feito da escola de hoje um campo minado com responsabilidades que também têm batido na porta das seguradoras.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Embora seja um tema sensível, as seguradoras estão se preparando para novos fatos que podem culminar em ações indenizatórias, como o stalking virtual [perseguição pela internet], pornografia de vingança, bullying, homofobia, transfobia e racismo”, comenta Ana Carolina Donizete, diretora-geral e sócia da AF Crédito Soluções Financeiras.

Quando se fala em seguros escolares, a inadimplência ainda é a grande preocupação dos brasileiros, mas a procura por proteção contra violências (física, virtual e comportamental) vem crescendo.

No último ano, o Grupo É Seguro contabilizou crescimento em torno de 30% no fechamento e 60% em cotação e apresentação de seguro que oferece coberturas para situações emocionais e corporais de crianças e adolescentes.

Marco Junior, sócio do Grupo A12+ e especialista em seguro educacional, diz que do ponto de vista de proteção social, a contratação do seguro demonstra a preocupação que a escola tem no amparo de sua comunidade diante de uma necessidade. “Se torna um diferencial”, acentua.

“A personalização no mercado de seguros é uma tendência constante. Há seguradoras que se preocupam com a violência nas escolas há mais de 15 anos. O seguro educacional e escolar cuida da integridade física e emocional dos alunos e funcionários da instituição de ensino”, explica Ana Carolina Donizete, da AF Crédito Soluções Financeiras.

Coberturas

São duas modalidades disponíveis no mercado para atender às novas necessidades da escolas:

Esses seguros podem pagar indenizações em casos de bullying, homofobia, transfobia, racismo, mortes acidentais, furtos e roubos, acidentes de trânsito (como em excursões, por exemplo) e até mesmo em situações como intoxicação alimentar.

As coberturas preveem ainda auxílio e acompanhamento psicológico e emocional e, no caso do responsabilidade civil escolar, o pagamento de possível indenização financeira, após processo tramitado e julgado.

Adriano Oliveira, CEO do Grupo É Seguro, conta que o setor vem se preparando para oferecer proteção em caso de violência emocional. Além disso, diz ele, vem aplicando e disponibilizando material informativo e de marketing para profissionais da área.

Como agir?

“Quando acontece algum tipo de ação preconceituosa (racismo, gordofobia ou qualquer outro tipo de preconceito), o caso não deve ser tratado individualmente. Não é punir e expor o aluno que cometeu o ato. É trabalhar isso de forma mais ampla. A pauta de combate ao preconceito precisa ser cuidada coletivamente com o objetivo de chamar os alunos para serem protagonistas e pensarem caminhos para combater essas questões”, considera Renata Ishida, psicóloga e gerente pedagógica do LIV, programa de educação socioemocional do Brasil que alcança mais de 500 mil alunos e famílias.

George Floyd, Protestos, Racismo
(Maddie Meyer/Getty Images)

O que as escolas devem evitar?

“No contexto do combate à discriminação, existem certas ações que as escolas devem evitar para garantir que sua abordagem seja eficaz e inclusiva”, ensina Kélen Abreu, doutora em educação e mestre em administração estratégica pela UDESC ( Universidade do Estado de Santa Catarina).

Segundo ela, algumas medidas incluem:

Veja também episódio do “Tá Seguro?”:

Compreendendo os conceitos

Kélen Abreu elenca algumas das novas ‘feridas’ do ambiente escolar e como elas podem interferir na vida dos estudantes. Confira:

Gordofobia – A gordofobia é um veneno corrosivo que mina a autoestima e o bem-estar de indivíduos em todo o mundo. É angustiante imaginar o impacto devastador do bullying e da discriminação na vida de uma pessoa, simplesmente por não se enquadrar nos estreitos padrões de beleza impostos pela sociedade. Para combater essa crueldade, as escolas devem implementar programas educacionais que promovam a aceitação corporal e celebrem a diversidade de corpos. É hora de abraçar e valorizar a beleza em todas as suas formas e tamanhos.

Racismo – O racismo é uma ferida profunda que continua a manchar nossa sociedade, prejudicando a vida de inúmeras pessoas. A dor e a frustração que as vítimas de racismo enfrentam diariamente, sendo excluídas e marginalizadas devido à sua origem étnica, são inimagináveis. As escolas têm a responsabilidade de educar os alunos sobre a história, a cultura e as contribuições dos diferentes grupos raciais. Através do conhecimento, podemos construir uma sociedade onde o respeito e a igualdade sejam os pilares que sustentam nossa convivência.

Pornografia de vingança – A pornografia de vingança é uma forma desumana de violência sexual, deixando cicatrizes profundas nas vítimas. É perturbador pensar no horror de ter a intimidade explorada e compartilhada sem consentimento, resultando em traumas emocionais duradouros. Para combater esse flagelo, as escolas devem implementar programas de educação sexual abrangentes, capacitando os alunos a compreender a importância do consentimento, da privacidade e dos relacionamentos saudáveis. Devemos criar um ambiente seguro, onde as vítimas sejam ouvidas e apoiadas, ao mesmo tempo em que conscientizamos a sociedade sobre as consequências devastadoras desse comportamento.

LGBTFobia – A LGBTFobia lança uma sombra sombria sobre a vida de pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. A angústia e o medo que os jovens LGBTQIA+ enfrentam diariamente, sendo alvos de discriminação e violência simplesmente por serem autênticos em relação à sua identidade de gênero e orientação sexual são inaceitáveis. As escolas devem ser espaços seguros, onde a diversidade sexual e de gênero seja respeitada. Isso requer a implementação de políticas antidiscriminação, treinamento de professores e funcionários para lidar com casos de LGBTFobia, além da criação de grupos de apoio. Devemos mostrar a todos que o amor e a aceitação são os alicerces de uma sociedade verdadeiramente inclusiva.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Gilmara Santos

Jornalista especializada em economia e negócios. Foi editora de legislação da Gazeta Mercantil e de Economia do Diário do Grande ABC.