Em minhas-financas / consumo

Greve de caminhoneiros deixa supermercados de todo o Brasil de prateleiras vazias; veja fotos

Em comunicado divulgado nesta quarta-feira (23), a ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) já dizia que alguns estados brasileiros enfrentavam desabastecimento de alimentos

Mercado na greve
(Reprodução/Twitter)

SÃO PAULO – Redes de supermercado de todo o Brasil também sentiram o impacto da paralisação de caminhoneiros, que impediram o reabastecimento dos estoques. Imagens publicadas por usuários nas redes sociais trazem grandes mercados, como o Zaffari, Extra, Dia e alguns supermercados regionais com prateleiras vazias.

Em comunicado divulgado nesta quarta-feira (23), a ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) já dizia que alguns estados brasileiros enfrentavam desabastecimento de alimentos e que a situação poderia “se estender para todo o Brasil nos próximos dias”.

Em nova nota, entretanto, a entidade afirmou que os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará, Espírito Santo, Pernambuco, Tocantins, Santa Catarina, Paraná e São Paulo já enfrentam desabastecimento de produtos perecíveis devido aos 315 caminhões que transportavam os alimentos.

Sobre os produtos não perecíveis, a associação garante que “os supermercados possuem um estoque médio” e, por enquanto, “a população pode ficar tranquila com relação a esses produtos”.

Medidas de supermercados, entretanto, afligiram a população: o Carrefour, por exemplo, limitou nesta quinta-feira (24) a compra de cada item a somente 5 unidades por cliente; mercados menores também chegaram a limitar a compra de açúcar, leite, arroz e óleo de soja.

O desabastecimento também afetou os preços de produtos, que chegaram a ficar 660% mais caros: segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), o Ceasa do Rio de Janeiro viu o quilo da bata subir de R$ 1,30 para R$ 5,60; no Ceará, o mesmo produto saltou de R$ 1,80 para R$ 7.

“A ABRAS está buscando sensibilizar o governo federal para que uma solução seja tomada imediatamente. Evitando, assim, que a população sofra com a falta de produtos de necessidades básicas e com uma eventual elevação nos preços”, ainda afirma a associação, sem mencionar quais são essas medidas.

A paralisação
A greve dos caminhoneiros já está em seu quinto dia consecutivo, mesmo um acordo com o governo que a suspendia ter sido firmado na noite desta quinta-feira. Eles bloqueiam rodovias contra os reajustes no preço de combustíveis da Petrobras e a carga tributária para o diesel.

Confira imagens de supermercados a seguir:

 

Contato