Em minhas-financas / consumo

Abras: setor supermercadista fatura R$ 294,9 bi em 2014, alta de 1,8%

O grupo das cinco maiores redes se mantém inalterado, liderado pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) na contagem que inclui as operações de varejo de eletroeletrônicos

O varejo supermercadista brasileiro registrou alta real de 1,8% no faturamento em 2014, alcançando receita de R$ 294,9 bilhões no ano, de acordo com informações da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). A entidade divulgou nesta terça-feira, 31, o Ranking 2015 das maiores redes supermercadistas.

 

O grupo das cinco maiores redes se mantém inalterado, liderado pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) na contagem que inclui as operações de varejo de eletroeletrônicos. Se for considerado apenas o faturamento informado para o braço de varejo alimentar do GPA, a companhia volta a ocupar o segundo lugar, atrás do Carrefour. Walmart, Cencosud e Zaffari completam o grupo. Juntos, eles tiveram faturamento de R$ 153,9 bilhões no ano.

 

A pesquisa mostra que o grupo das vinte maiores empresas cresceu de forma mais acelerada que a média. Juntas, as vinte maiores tiveram alta de 10% no faturamento, chegando a R$ 189,4 bilhões.

 

2015
A Abras acredita que 2015 será um ano de menor ritmo de expansão das redes varejistas. O presidente do conselho consultivo da entidade, Sussumu Honda, considera que 2014 foi um ano forte em investimentos em lojas novas e que em 2015 as companhias devem se concentrar em buscar ganhos de produtividade.

 

Em 2014, as vinte maiores cadeias supermercadistas do Brasil saíram de 3,6 mil lojas em funcionamento para 5,53 mil. Embora os líderes Carrefour e Grupo Pão de Açúcar ainda falem em manter investimentos em expansão este ano, a Abras acredita que o setor como um todo tende a desacelerar.

 

Honda considera ainda que a nova realidade também pode ter impacto no cenário de empregos do setor.

 

"O ciclo de criação de empregos na área formal não se esgotou, mas o que estamos vendo na indústria vai acabar se refletindo também no setor de serviços", diz. "Se não tem um processo de expansão tão forte, o investimento vai começar a partir para esse aspecto em vez de estar voltado para admissão de novos funcionários", comenta Honda.

 

Inflação e vendas
Até o momento, a Abras ainda mantém a projeção de crescimento de 2% real nas vendas do setor em 2015. "Tivemos mitos dados recentes revelando deterioração da economia, mas ainda vamos aguardar antes de revisar esse número", diz Honda.

 

O executivo considera que a desvalorização do Real ante o dólar e aumentos de impostos em diferentes setores têm elevado os preços dos produtos nas gôndolas. A perspectiva de continuidade de alta nos preços nos próximos meses tende a impactar as vendas, diz.

 

"O ciclo de crescimento que tivemos desde 2005 agora se enfraquece e temos muitos desafios este ano, mas ainda vemos que o brasileiro tende a reduzir gastos em outros segmentos e manter o consumo no varejo alimentar", comentou.

 

Contato