Em minhas-financas / consorcios

Consórcio ou financiamento: qual é a melhor opção para comprar seu carro?

Conheça vantagens e desvantagens de cada uma dessa alternativas

Corolla 2013
(Divulgação)

SÃO PAULO - Na hora de comprar um carro, as duas maneiras mais procuradas são o financiamento e o consórcio. A primeira corresponde hoje a quase 80% de todos os veículos comercializados no Brasil, mas que vem perdendo espaço no mercado, principalmente com a alta do juros.

Os financiamentos de veículos no Brasil caíram 24,8% em novembro, em relação a igual mês de 2014, revelam dados da Unidade de Financiamento da Cetip divulgados nesta segunda-feira, 14. No acumulado do ano até novembro a baixa foi de 16,0%, na comparação com mesmo período do ano passado.

Enquanto os financiamentos caem, o consórcio de veículos leves cresceram mais de 10%, segundo Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (Abac).

Mas, afinal, qual é a melhor opção?

O consórcio não cobra juros e, portanto, passa a ser um negócio mais interessante com a alta da Selic, explica o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Antonio Jorge Martins, especializado em gestão de empresas do setor automotivo. “O consórcio é uma opção mais atrativa. Mas o consumidor deve prestar atenção na taxa de administração. Dependendo da empresa de consórcio essa taxa pode até equivaler ao juros”. 

Para decidir qual opção é mais vantajosa, é preciso resolver uma questão matemática. Para ajudá-lo, fizemos uma simulação, utilizando um dos modelos mais vendidos no Brasil, o Novo Corolla Flex GLI 1.8. Nesse exemplo, para o financiamento incluímos a taxa de abertura de crédito (TAC) de R$ 900,00, e embutimos a taxa de juros de 1,85% ao mês ou 24,6% ao ano, valor correspondente ao mercado.

Fonte: Consórcio Rodobens

Na simulação, consideramos que o consumidor não deu nenhuma entrada, mas isso não é o mais indicado. “Quanto mais você minimizar o financiamento, melhor para as condições financeiras. Quanto maior a entrada, melhor para pagar menos juros”, afirma o professor.

Segundo ele, o ideal seria pagar à vista, mas quando não houver essa opção pague a maior quantia que puder. “Tem várias concessionárias nas mais diversas situações, com alto estoque e endividamento. Sonde o mercado e busque as melhores alternativas”, indica Martins.

As pessoas estão migrando do financiamento para o consórcio e se planejando melhor. O consórcio é mais indicado quando o consumidor não tem poupança, algo cada vez mais comum conforme a crise se estende. A principal vantagem do financiamento acaba sendo a possibilidade de ter o carro em um curto espaço de tempo. Se você pode esperar um pouco mais, o consórcio é a melhor opção. Caso você opte por essa forma de pagamento e não esteja disposto a esperar muito tempo, poderá dar um lance ou ainda ser sorteado.

Como funciona o consórcio

Todos os integrantes realizam contribuições mensais ao grupo por um período predeterminado – 80 meses, por exemplo. A cada 30 dias, um ou mais deles são contemplados. As contribuições ao grupo continuarão a ser realizadas até que todos recebam a carta de crédito que será usada para a aquisição do bem. No oito primeiros meses desse ano, 889,7 mil pessoas foram contempladas, de acordo com a Abac, um crescimento de 7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Existem duas formas de ser contemplado no sistema de consórcios. A primeira é por meio de um sorteio realizado mensalmente. A outra opção é apresentar um lance que corresponde a um percentual do valor do bem desejado. Para entender melhor, quem opta por dar um lance em uma assembleia mensal, está na verdade antecipando prestações. Assim, vence a disputa quem puder antecipar o maior número de prestações possível. Suponha que você aceite quitar 50% da dívida, e ninguém esteja disposto a dar um lance maior, você será contemplado com a carta de crédito.

Vale lembrar que a quantia paga nas parcelas passa por reajuste todo ano, por isso, certifique-se qual foi o índice de preço estabelecido no contrato do consórcio. 


 

Contato