Em minhas-financas / consorcios

Consórcio imobiliário cresce 50% nos primeiros sete meses de 2015

De janeiro a julho foram registrados 135,9 mil novos contratos, frente a 90,4 mil contabilizados no mesmo período do ano passado

Consórcio de imóveis
(InfoMoney)

SÃO PAULO - Apesar do cenário econômico difícil, consumidores continuam buscando alterativas para não deixar de realizar o sonho de ter a casa própria. Com o juros nas alturas e maior dificuldade de obter crédito, o consórcio desponta como uma opção. De acordo com a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (Abac), foram contabilizadas 135,9 mil novas cotas de consórcio imobiliário nos sete primeiros meses deste ano, um crescimento de 50,3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O momento de instabilidade exige cautela, isso explica o aumento por uma alternativa que oferece prazos maiores e custos mais baixos. No consórcio de imóveis, as parcelas costumam ser menores porque são livres de impostos como IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Há a cobrança de uma taxa administrativa, fundo de reserva (em algumas administradoras) e seguro. Mesmo assim, é possível encontrar parcelas mais acessíveis do que no financiamento, além de ter a possibilidade de reduzir, antecipar ou quitar as parcelas a qualquer momento.

Enquanto o consórcio cresce o número de novos contratos, o financiamento de imóveis registra queda. No primeiro semestre, cerca de 200 mil imóveis foram financiados, uma redução de 22,1% em relação ao mesmo período de 2014, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário (Abecip). Nos últimos 12 meses, até junho, foram financiados 481,5 mil imóveis, correspondendo a um recuo de 11,1% em relação aos 12 meses precedentes.

Essa mesma disparidade continua quando comparado o volume de crédito comercializado. De janeiro a julho, foram transacionados através do consórcio R$ 15,83 bilhões, um aumento de 52,9%, em relação ao mesmo período do ano anterior. Enquanto, o financiamento movimentou no primeiro semestre R$ 44,8 bilhões, queda de 15,8%.

 

Contato