Em minhas-financas / cartoes

Para Citigroup, ações da Redecard são presença óbvia no portfólio

Liderança absoluta no mercado de cartões de crédito faz com que papéis ganhem prestígio; upside de 26% e sugestão de compra

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Os analistas do Citigroup iniciaram a cobertura das ações da Redecard (RDCD3) com recomendação de compra, ante um preço-alvo de R$ 35,50, o que garante um potencial de valorização de 26,2% frente o fechamento de sexta-feira (17).

Segundo a equipe, a sugestão se deve à atratividade do mercado varejista brasileiro e à indústria de cartões de crédito nacional, onde a Redecard exerce praticamente um monopólio, com excelentes lucros e crescentes resultados.

Nos modelos do banco, a empresa tem potencial para crescer até 20% entre 2009-2011, ao passo que a Redecard continuará colhendo benefícios com as operações de alavancagem, que devem levar a 74% de margem Ebitda (geração operacional de caixa) em 2011.

Junto às vantagens operacionais, os analistas destacam a relação elevada de dividend yield da Redecard frente aos pares da empresa, que chega à casa dos 6,5%, bom para os investidores que executam suas operações visando o longo prazo.

O risco
Apesar do otimismo latente, os analistas reconhecem que há riscos quanto à questão da regulação do setor de cartões de crédito nacional, principalmente após a publicação de um estudo elaborado pelo Banco Central do Brasil sobre a indústria.

Na visão dos analistas, é certo que haverá uma nova regra para amparar as transações com cartão de crédito no perímetro brasileiro, mas tal lei deverá levar tempo para entrar em vigor.

Entretanto, a equipe pede para os investidores ficarem atentos aos novos rumos desse assunto, uma vez que processo ditado de forma incoerente pode afetar o progresso do setor brasileiro, que vem se comportando bem ao longo dos anos.

 

Contato