Auditores da Receita pedem exoneração de 1.288 cargos de chefia para pressionar Bolsonaro a reajustar salários

Com 2 mil cargos comissionados, 64% dos ocupantes das vagas de chefia já pediram remoção

Reuters

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Publicidade

O protesto de auditores fiscais da Receita Federal em busca de melhorias de remuneração já reúne 1.288 pedidos de entrega de cargos de chefia e as primeiras exonerações começaram a ser formalizadas, informou o Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco) nesta quarta-feira (12).

A categoria iniciou a entrega de cargos em dezembro como forma de pressionar o governo a ampliar recursos para a Receita e regulamentar o pagamento de bônus de produtividade. Atividades administrativas e programas de fiscalização em postos aduaneiros também foram reduzidos.

De acordo com o sindicato, o total de cargos comissionados no órgão é de aproximadamente dois mil. Portanto, cerca de 64% dos ocupantes das vagas de chefia pediram exoneração.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A formalização dos pedidos depende de autorização e publicação no Diário Oficial da União. Algumas solicitações começaram a ser oficializados nesta quarta.

O ato na Receita é parte de um movimento de diversas categorias, que se mobilizaram em demonstração de descontentamento após o governo prometer reajustes salariais apenas a carreiras de policiais.

Banco Central

Outra categoria que iniciou processo de entrega de cargos e promete paralisar as atividades é a de servidores do Banco Central. Na terça-feira (11), representantes dos servidores participaram de reunião com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, mas não receberam sinalização de reajuste.

Continua depois da publicidade

O presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fábio Faiad, informou que os servidores debaterão uma proposta de greve por tempo indeterminado se não houver proposta concreta.

O Ministério da Economia e o Banco Central não fizeram comentários sobre os movimentos.